Pular para o conteúdo principal

Finalmente a Crise Final


Assim como a Marvel que chama seus eventos de “Guerra” (Guerra Skrull-Kree, Kree-Shiar, das Armaduras I e II, Secreta, Secreta I, II e III, dos Espectros, das Gangues, Civil) a DC usa o termo “Crise” como se fosse uma marca sua. Desde a década de 1.960 eles têm criado perigos que ameaçam seus universos ficcionais e que necessitam de seres de vários universos para resolvê-lo. Muitas destes eventos são bons, ainda que repetitivos, e nenhum chegará à excelência de Crise nas Infinitas Terras. Dito isto ver mais uma ameaça de Darkseid à Terra é muito previsível mesmo que tenha por trás o gênio de Grant Morrison. A Saga do Quarto Mundo – inconclusa e Lendas são exemplos de histórias que tinham estes premissas. O quê se acrescentou agora? Páginas e páginas de splash-pages e citações infinitas à obra de Jack Kirby: Metron, Turpin, Orion, Darkseid, Kamandi e a presença de uma trama que evoca a destruição de tudo.
A trama?
Uma coleção de eventos distintos e aparentemente não se conectando – de certo modo lembrando em muito a passagem de Morrison pela Liga. Orion é encontrado morto pelo Detetive Turpin, próximo a se aposentar. As investigações o levam ao Clube Lado Negro – detalhe perdido na tradução desnecessária... -. Em resposta ao assassinato de Orion, os Guardiões de Ao enviam os Lanternas Alfas para a Terra. O vilão Libra reúne os principais vilões da Terra e pede que o sirvam em troca da realização de um desejo. Para provar que fala sério mata JOnn JOzz, o Caçador de Marte, realizando o desejo de um vilão inexpressivo!
Apesar dos céus vermelhos e da tensão entre a comunidade dos vilões não há um evento maior que necessite ser chamado de crise. Como sei o fim da história (já a li) poderia dizer que o melhor título para a série é “Quarto Mundo – o fim”, mas tenho comigo que venderia menos.
Entre Crise nas Infinitas Terras e Crise Infinita se passaram 20 anos. Entre Crise Infinita e Crise Final, dois apenas. A DC erra em consumir tão rápido algo que deveria ter sido feito com vagar, principalmente levando-se em conta que a série tem mais a ver com Kirby do quê com o Multiverso.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!