Pular para o conteúdo principal

Incapacidades (III)


Falar de Geoff Johns tem soado como chover no molhado! É verdade o sujeito tem sido ao longo dos últimos anos o garoto dourado da indústria.
Devo confessar que não acho graça na parceria dele com Richard Donner. Acho que foi uma maneira de reconhecer a importância do diretor, mas não gostei do conjunto da obra. Certamente tem muito da amizade que os dois cultivam a anos: Johns começou trabalhando no estúdio de Donner, assim como David Goyer (co-escritor de JSA e escritor dos filmes Blade, sendo diretor do último). Talvez numa releitura em alguns meses eu reconheça a importância da série, não sei. Também sei que o Infinity, Inc – volume 2 com o personagem Aço encabeçando a equipe, não foi bem recebido.
Temos também Crise Infinita que cheia de boa intenções serve apenas como pavimento para o inferno, não se conclui de forma a dar seqüência ao que veio. Mas aí eu sei que a culpa não foi dele e sim do Didio. Em compensação “52” cumpriu o papel que Crise Infinita não cumpriu. Ok! Resolvido!
Seu Teen Titans também é algo insosso, sem muito brilho, ainda que a arte de Mike McKonne ajude muito. Mas como McKonne apesar de antigo (está na indústria desde o início dos anos 1.990) ainda não ascendeu ao estrelato a série não marcou muito.

Então o quê o sujeito fez de bom?
Fez a Sociedade da Justiça e ponto. Não vou me estender sobre isto por que retomarei no futuro, mas fazer a Sociedade da Justiça da maneira como ele fez é justificativa para ter seu nome escrito nos anais.
Depois ele fez Lanterna Verde, tanto o “Renascimento” como a série mensal, e conseguiu manter o interesse e a excelência mesmo quando eu mesmo pensei que a luz esmeralda estivesse para sempre apagada!
E então ele assumiu o Superman.
Aí a vaca torce o rabo. Quem já leu algum texto meu sabe que eu gosto do Kurt Busiek, e apesar de achar meio vago gostei bem mais da “A queda de Camelot” do que da parceria Johns/Donner. Por sinal o arco do Mundo Bizarro também não acrescentou nada...
No entanto, em “Superman e a Legião dos Super-Heróis” ele provou que é um nerd e que soube fazer a lição de casa certinha. A história funciona bem e tem brilho próprio mesmo que a arte de Gary Frank seja, por si só, um grande atrativo.
Mesmo com toda a confusão envolvendo as Legiões tudo faz sentido na história e um breve epílogo mostra que o vilão por trás de tudo é... o Senhor do Tempo! Sempre foi ele, sempre será...
Bem temos que lembrar que a linha de raciocínio não é inédita. Legion of Super-Heroes # 105 (junho-1998) de Tom Peyer & Roger Stern (texto), Jason Armstrong (lápis) e Ron Boyd (nanquim) já deixa bem claro que o Senhor do Tempo está manipulando a equipe. A pela capa de Alan Davis mostra quatro versões da equipe. Ao final o vilão sentencia: “I tested the Legion’s multiculturalism. They passed. I stripped them of their technology. They survived. I tore them from reality. They prevailed. End of experiment. Next time, they must rise to all of those challenges, and more... for the sake of existence itself!”
Com o advento de Crise Final, a nova maxissérie da DC, Johns teve contato com o quê pode se chamar de terreno propício. Já tive contato com Crise Final (já a li, e é ruim) e com Legião dos 3 Mundos (é um fenômeno!) e espero ansiosamente pelo lançamento de Adventure Comics, a série que irá restaurar a equipe do futuro pelas mãos de Johns.
Durante a Legião de 3 Mundos, que não terminou ainda e é desenhada pelo mestre supremo do detalhismo funcional George Pérez, Johns estabelece que existem três Legiões de Super-Heróis, exatamente a clássica (até 1994, porém aparentemente sem os problemas da fase “Five Years Gap"), a reboot (1994-2003) e a atual (de Waid/Kitson). Ele reúne as três legiões para enfrentar a vilanesca Liga da Justiça de 3008 (vilões xenófobos, presentes no arco Superman e a Legião dos Super-Heróis), a Legião dos Super-Vilões, o Quinteto Fatal, o Superboy Primordial, Universo e finalmente aquele que está arquitetando tudo: Senhor do Tempo.
No Brasil a série será publicada em uma minissérie especial auxiliar à Crise Final, ainda que ao meu ver funcionasse bem melhor sozinha, pois pelo texto e arte está no nível de um Liga da Justiça/Vingadores.
Concluindo: se a Marvel tem a dupla Brian Michael Bendis & Mark Millar, a DC Comics tem Geoff Johns. Não podemos incluir Grant Morrison na lista por que ele não tem preocupação com o comercial, sua Crise Final é a prova cabal disto. Hermética demais, sua única vantagem real será manter a palavra “crise” longe de séries da editora por muitos anos.
Johns tem talento e consegue trazer lógica e conexão até mesmo em séries bem secundárias e despretensiosas pelo Gladiador Dourado, que é divertida e reverencia a cronologia da editora (veja que anos depois de eventos como Zero Hora e DC 1,000,000, Booster Gold foi a primeira série que usou as numerações especiais destes eventos para explicar que o herói viajante do tempo estava naquele momento).
O problema é a incapacidade da DC em estender isto a todos seus títulos ou como na Marvel, à maior parte deles. No final tudo será como a Vertigo no período 1.992-1.995: uma ilha de excelência controlada por uma chefia importante – no caso Karen Berger, curiosamente editora de The Legion of Super-Heroes no período Levitz & Giffen.
No Brasil tudo fica bem evidente quando compramos uma edição da Panini: 25% da revista, ou seja, uma história é completamente irrelevante! Em Superman temos Supergril; em Batman temos opção Nightwing, Robin e Catwoman; em Liga da Justiça temos a própria Liga e Flash – ainda que em diversas edições suas histórias sejam boas –; Superman/Batman temos não o Arqueiro Verde & Canário Negro, mas a série principal que até hoje não disse a que veio, ainda que um arco tenha rendido um longa de animação (o arco Inimigos Públicos). A série é insípida e carece de um sentido maior que a justifique. Um dia num futuro próximo será apenas mais uma em arcos mensais intermináveis; apenas um capítulo da semana que irá permitir que uma trama comece nas séries do Superman e continuem nas séries do Batman.
Mesmo que bem menor importância e maior interferência a Marvel tem criado nomes que poderiam substituir Bendis & Millar. Na DC existe alguém que possa substituir Geof Johns?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…