Pular para o conteúdo principal

Crise Final: Submissão


Publicada nos EUA em dezembro de 2.008 e traduzida pela Panini em Crise Final Edição Especial # 03 (outubro/2009) aqui temos o roteiro de Grant Morrison, o lápis de Matthew Clark e os finais de Norm Rapmund para narrar uma excelente história de submissão.

Darkseid, o novo deus maligno, regente de Apokolips dominou completamente o mundo, bem... não completamente, por que aí não teria mais histórias para contar. Dominou quase que completamente o mundo...

Existem alguns focos de resistência espalhados pelo mundo (veja edição especial Crise Final: Resistência).

Aqui temos a tentativa de herói Raio Negro de levar a família do criminoso Tatuado para um centro de resistência.

Claro que Morrison trabalhando na DC tem que enfiar um bando de ocorrências banais. Uma delas é que alguém está editando o Planeta Diário no prenúncio do fim da civilização – e não é a primeira vez, em Noite Final, outra mega-super-saga-arrasa-quarteirão de verão houve também uma linha de argumento neste sentido.

Outra bobagem é a resistência entre Raio Negro e Tatuado (Mark Richards). Ambos são negros. Raio Negro é professor do ensino secundário norte-americano e sua identidade é pública. Criado nos anos 1970 tem alicerces nos movimentos sociais – o equivalente na Marvel em discurso, acredite ou não, é o Falcão, parceiro do Capitão América, que também tem identidade pública e histórico com movimentos sociais.

Tatuado pode construir construtos com suas tatuagens e é uma repaginada de um inimigo clássico do Lanterna Verde. A arte faz lembrar, nos construtos, o personagem Darkness da Top Cow, criado por Marc Silvestri em quem Matthew Clark parece se inspirar em alguns momentos.

A trama explora uma centena de clichês, mas se sai muito bem explorando-os. O resultado é um misto de “clichê máximo” e satisfação, pois convence.

Cheio de mensagem subliminares próprias do trabalho do autor, Morrison não deixa de dar sua pontada. Em duas seqüências aparece “A origem das espécies” de Charles Darwin. Na primeira, Raio Negro impede que o livro seja queimado como combustível, com o seguinte diálogo “Queimar livros é o que os justificadores do Darkseid fazem.” – justificadores são a polícia do deus do mal que conseguem converter os prisioneiros.

No final, convertido à fé negra de Darkseid, Raio Negro joga o mesmo livro nas chamas com as frases: “Hrr. Lixo. O que discorda de Darkseid é heresia. O que está de acordo com Darkseid é supérfluo. O fogo não precisa de professor! As chamas não precisam de instrução! A antivida justifica minha ignorância! A vida é uma questão. A antivida é a resposta”.

Isto não deixa de refletir a posição de muitos em relação ao evolucionismo. Eles argumentam que é heresia e sequer lêem o material de Darwin para descobrir o erro do pesquisador ou seus acertos.
Uma pena...

Por sinal há em bancas uma edição excelente da "Livros Escala" que está sendo redistribuída por meros R$ 19,90. São 462 páginas e páginas com uma formatação que permite recordatários tanto do tradutor/editor, quanto do leitor, se desejar.

Mas Submissão é empolgante e vale o dinheiro empregado na aquisição.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…