Pular para o conteúdo principal

Testamento de Geoforça

De quem?

Num primeiro momento os leitores devem ser perguntar “de quem”?

Geoforça é um personagem ligado à série “Batman e Os Renegados”. Anos depois o cavaleiro das trevas sairia da equipe e ela adotaria um formato de publicação diferenciado em páginas, coloração e apresentação, chamando-se apenas “Os Renegados”.

Apesar do sucesso inicial não resistiu sequer ao Milênio e acabou. Voltou em 1993, pouco antes de Zero Hora e foi cancelada de novo.

Geoforça é o príncipe de um país fictício chamado Markóvia. Ela tinha uma irmã chamada Terra que tinha o dom de manipular a crosta terrestre e, como espiã do vilão Exterminador, entrou para a equipe Os Novos Titãs, disposta a traí-los. Ao final do arco ela morreu. Esta história foi contada em Novos Titãs – O contrato de Judas nos idos dos anos 1.980, que a DC Comics está prometendo para animação já há algum tempo.

Recentemente Geoforça teve seus poderes alterados pelo Exterminador em histórias que o Brad Meltzer escreveu para a Liga da Justiça. Supostamente a trama geral do plot era fazer o herói entrar para a equipe para traí-los como sua irmã anos antes. Quebrando o paradigma Geoforça telefonou para o Batman assim que descobriu a manipulação do vilão.

Esta edição, publicada aqui em Crise Final Especial #02, se passa nos primeiros momentos de Crise Final, quando os heróis acreditam que o fim do mundo é inevitável, e fala sobre a vingança de Geoforça contra o Exterminador. Tem roteiro de Meltzer, desenhos de Adam Kubert e finais de John Dell e Joe Kubert (Sargento Rock, entre outros trabalhos e pai de Adam).

Se é previsível na vingança de Geoforça já que não tem ninguém em sã consciência que acredita realmente que um herói conseguirá matar à frio um vilão nos quadrinhos, a edição se torna emocionante ao mostrar o quê fazem alguns personagens da editora na eminência de um juízo final.

É particularmente interessante Estelar (dos Novos Titãs) ir ao cemitério visitar o túmulo dos pais de Dick Grayson esperando encontrá-lo, enquanto o próprio está saltitando no alto dos prédios de Gotham City com Batman & Robin (e este último se sente sobrando).

Outro ponto importante da edição é usar Rocky Davis dos Desafiadores do Desconhecido num confessionário numa posição semelhante a um padre ouvindo pecados e convertendo pessoas do DCU ao Evangelho.

Meltzer teria acertado mais se tivesse escolhido o Dr Meia-Noite da Sociedade da Justiça, mas creio que ficou fascinado com a possibilidade que o desconhecido poderia exercer sobre os fãs.

No fundo a bela edição não serve para nada.

A vingança fica inconclusa e o diálogo final entre o Lanterna Verde Hal Jordan e Wally West, o terceiro Flash, dá o tom da minha análise:

Flash (Wally West):
Mas e quanto a você? Sei que o Clark disse que esse é o fim e tudo mais...
... Mas o que você acha?


Lanterna Verde (Hal Jordan):
Do que está falando?
Assim é a vida, Wally.
Te vejo amanhã.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…