Pular para o conteúdo principal

Superboy Prime de volta

A Terra Primordial é um planeta que emula o nosso. Não existem heróis nem super-seres.

Foi palco de várias aventuras do Flash (Flash volume 1 # 179 – 1.968) e alguns editores e escritores constantemente são transportados deste mundo para a Terra 1 e 2.

O primeiro herói daquele mundo, Ultraa, decidiu abandoná-lo, de modo que a sua existência não provocasse o surgimento de outros super-seres.

Isto não impediu uma segunda Crise envolvendo o planeta (veja aqui a primeira Crise e aqui a segunda).

Em 1.985 a passagem do Cometa Halley despertou os poderes de uma versão de Clark Kent que se tornou o Superboy.

Na mesma época acontecia a Crise nas Infinitas Terras (1985). Ao final da série, Superboy da Terra Primordial, Alexandre Luthor da Terra-3 e Superman & Lois Lane da Terra-2 tornam a última linha de frente contra o Antimonitor, derrotando-o definitivamente.

Eles são transportados para uma outra dimensão de viveriam felizes para sempre. Com a destruição do Multiverso os personagens e a Terra Primordial não foram vistos novamente.

Em Crise Infinita (2005/2006) descobre-se que Luthor da Terra-3 com ciúmes da afeição entre Superman e Lois (uma versão de sua mãe) manipula o Superman e Superboy para que quebrem a barreira entre as dimensões e enfrentem os heróis, decididos a recriarem o Multiverso (que seria efetivamente recriado em 52 de 2006/2007).

Durante a série, Superboy-Primordial torna-se o grande vilão e para alguns leitores, ele é tudo de ruim que há na história. Tornou-se ridículo, caricato, sinal de falta de possibilidades.

Apesar da má fama do personagem, Geoff Johns, escritor de Crise Infinita, o usou como vilão em duas outras séries: A guerra dos Anéis, ligada à cronologia da série Lanterna Verde volume 4 e Tropa dos Lanternas Verdes, e também na série Crise Final: A Legião dos 3 Mundos, atualmente publicada pela Panini.

Ao final de Legião dos 3 Mundos descobre-se que a Legião dos Super-Heróis criada por Mark Waid & Barry Kitson, que teve recentemente aventuras publicadas por aqui na série Os Melhores do Mundos (Supergirl & Legião dos Super-Heróis), na verdade, habita o futuro (século XXXI) da Terra-Primordial.

Em Adventure Comics volume 3 # 4 (janeiro-2.010, cover date), utilizando recursos de metalinguagem onde o narrador conversa com o leitor e admite que Superboy é impopular e durante a edição o próprio Superboy lê o final – na Terra Primordial os heróis da DC Comics são publicados em revistas – que continua no próximo número.

Alexandre Luthor da Terra-3 e vários Titãs assassinados por Superboy em Crise Infinita navegam entre as dimensões e atacam o vilão que mantêm os pais em uma espécie de prisão.

A edição tornou-se famosa por que Johns a utilizou para descarregar sua fúria contra os leitores que haviam criticado os seus trabalhos anteriores com o personagem (em tempo: A guerra dos anéis e Legião dos 3 Mundos não sofreram críticas neste sentido).

Rendeu uma boa história, mas a comoção dos nerds mostra como o público de quadrinhos ainda é despreparado para aceitar críticas e somente habilidoso em fazê-las.

Um detalhe importante. Quase todas as modificações importantes que os editores obrigaram a Johns fazer em Crise Infinita já foram desfeitas. Shazam, o mago, já retornou. Apesar de Superman e Lois da Terra-2 morrerem (em Crise Infinita) e retornarem como mortos-vivos (A noite mais densa), já se sabe que na dimensão Terra-2 foi criado uma versão para substituí-los. Este recurso foi usado para explicar a existência de Poderosa na Nova Terra e na Terra-2. Esta versão do Superman está perdida (leia Sociedade da Justiça da América – Terra-2, O reino do amanhã e Um mundo sob Gog). Outras modificações também foram desfeitas.

Veja aqui a lista de todas as Crises da DC Comics.

Veja aqui a lista do Multiverso da DC Comics.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…