Pular para o conteúdo principal

Crise nas Infinitas Terras, Resumo da ópera


O quê?

Crise nas Infinitas Terras, série mensal em 12 edições publicada em 1985 – 1986.

Quêm?
Concebida por Marv Wolfman (argumento) e George Pérez (co-argumento & desenhos), mas com participações da cúpula da DC Comics da época.

Wolfman e Pérez vinham de uma longa e muito sucedida parceria na série The New Teen Titans que na época vendia em suas piores tiragens mais de 250 mil exemplares!

Importância

O universo de personagem da DC Comics era dividido em várias dimensões paralelas, o quê supostamente afastava alguns fãs.

Ao se organizar e criar apenas um único universo a DC preparou o terreno para uma profunda reformulação em toda sua linha de personagens, iniciada em 1986.

Após o evento todos os personagens da DC tiveram suas origens revistas como Superman (O homem de aço), Mulher Maravilha (A saga de Ares) e Batman (Ano Um).

Personagens que necessitavam do conceito das múltiplas dimensões tiveram origens confusas, constantemente revistas (Poderosa, Superboy) ou foram enviados para outros lugares distantes (Sociedade da Justiça), até que a poeira baixasse.

Onde?
A série foi publicada no Brasil nas revistas Os Novos Titãs, Superamigos, Super-Homem e SuperPowers em 1987, sendo republicada em uma minissérie em 3 partes em 1989 e 1996 pela Editora Abril Jovem, nestas versões em formatinho.

Em 2003 a Panini Comics, que havia adquirido os direitos dos personagens da DC Comics em 2002, republicou a série em dois volumes, agora com nova tradução, formato americano e papel especial.

Nos EUA há uma edição no formato “Absolute” com uma série de extras, artes e detalhes de roteiros, e também uma versão romanceada escrita por Marv Wolfman, que conta a Crise do ponto de vista de Flash (Barry Allen). Estas duas versões são inéditas no Brasil.


O Multiverso
Para explicar o problema que foi abordado em Crise é necessário entender-se o Multiverso.
O universo ficcional da DC não ficou limitado a apenas uma dimensão quando da criação no Big Bang.
As energias desprendidas pela surpreendente explosão criaram centenas (ou infinitas) dimensões que eram semelhantes em muitos aspectos, mas sempre com alguma diferença que a fazia especial.

Veja as principais Terras da era pré-Crise:

Terra 1 ou Terra Ativa – os heróis surgiram no meio da década de cinquenta e ainda estavam na ativa (daí a tradução popular da Editora Abril).
Os principais heróis da DC eram membros da Liga da Justiça da América, Os Novos Titãs, Os Renegados, Os Omega Men e a Tropa dos Lanternas Verdes.

Terra 2 ou Terra Paralela
– os heróis surgiram no final dos anos 30 e participaram ativamente da Segunda Grande Guerra Mundial. Os principais heróis eram membros da Sociedade da Justiça, que durante a Grande Guerra uniu-se a outros heróis e formaram o Comando Invencível (All-Star Squadron).
Os heróis da SJA estão aposentados porém freqüentemente tem aventuras com a LJA. Atualmente os filhos e afilhados dos membros da SJA são membros da Corporação Infinito.

Terra 3 – O único herói é Lex Luthor, que é casado com Lois Lane. Aqui os alter-egos dos nossos principais heróis se uniram no Sindicato do Crime.

Terra 4 – Besouro Azul, Questão, Capitão Átomo, Pacificador e Sombra da Noite eram os principais heróis deste mundo de personagens da Charlton Comics que foi comprada pela DC.

Terra S – O Capitão Marvel (SHAZAM) e seus coadjuvantes tinha suas histórias neste mundo. Lembre-se a DC também comprou estes personagens de outra editora, a Fawcett.

Terra X – Aqui a 2ª Grande Guerra foi ganha pelo Eixo e o mais famoso grupo são os Combatentes da Liberdade que continuam a enfrentar os alemães. Reúne os personagens que a DC Comics adquiriu da Quality Comics.

Estas eram as principais Terras mas não eram as únicas, além do que temos os futuros alternativos e os passados. Tínhamos Kamandi (chamada por alguns como Terra K), Omac, Hércules Renascido; personagens que poderiam ou não ter uma Terra própria. Havia inclusive a Terra Primordial que não tinha heróis até o surgimento do Superboy em 1985, semanas antes da Crise. Apesar de não ter heróis próprios, a Terra Primordial teve sua “Crise na Terra Primordial” envolvendo o All-Star Squadron, a Sociedade da Justiça, a Liga da Justiça e o Sindicato do Crime da América, além de algumas histórias do Flash (Barry Allen).

Veja aqui a listagem das Crises da DC Comics.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…