Pular para o conteúdo principal

Crise na Terra Primordial (1.982)

Uma das minhas “Crises” preferidas este 20º encontro anual das equipes Sociedade da Justiça da Terra-2 e Liga da Justiça da Terra-1, teve a participação do All-Star Squadron da Terra-2, conhecido no Brasil como Comando Invencível.

Na época Roy Thomas desenvolvia a longa série All-Star Squadron (1981-1987) que se passava durante os últimos dias de 1.941 e início de 1.942 na Terra-2.
O encontro foi originalmente publicado em Justice League of America v1 #207-209 e All-Star Squadron # 14-15, com texto de Gerry Conway e Roy Thomas, lápis de Don Heck e Adrian Gonzáles e finais de Romeo Tanghal, Sal Trapani, Don Heck e Jerry Ordway.
A história começa quando ao transportar parte da Sociedade da Justiça para a Terra-1 para o encontro de 1.982, algo errado impede que os heróis cheguem ao destino.
No satélite da Liga da Justiça surge o Sindicato do Crime da América que derrotam Superman, Zatanna, Gavião Negro, Nuclear e Aquaman.
Os membros da Sociedade da Justiça que vieram para o encontro (Poderosa, Starman, Caçadora, Lanterna Verde e Sr. Destino) são transportados para dentro de uma prisão no Limbo entre as dimensões, criada dezenove anos antes pelo Lanterna Verde para prender o Sindicato do Crime.
A Sociedade escapa da prisão e navega entre as dimensões indo parar na Terra Primordial, completamente devastada!
Este planeta surgiu em histórias do Flash e não tem heróis. Aqui os heróis são apenas personagens em quadrinhos. Surgiria um herói que migrou da Terra de modo a deixá-la intocada.
Ledo engano, em 1.985 durante a Crise nas Infinitas Terras surgiu o Superboy que seria personagem fundamental em Crise Infinita (2006) e A guerra dos anéis (2007).
Ao investigarem a Sociedade da Justiça descobre que Per Degaton do ano de 1.947, um fascista viajante do tempo que já enfrentou a Sociedade e posteriormente o All-Star Squadron, roubou os mísseis durante a Crise dos Mísseis de Cuba em 1.962, e o Presidente JFK, pressionando deu início ao bombardeio que destruiu a civilização!
Foi ele o responsável por libertar o Sindicato do Crime da América.

A Liga acorda após a derrota e segue para a Terra-2 para descobrir que no passado ela foi dominada por Degaton!


Claro que eles voltam à 1.942 e encontram com o All-Star Squadron, que usava temporariamente a sede da Sociedade da Justiça, enfrentam os heróis e fazem as pazes à tempo de serem convocados pelo Presidente Roosevelt para ouvirem a chantagem de Per Degaton.
Ele irá explodir um míssil para servir de exemplo e exige que os líderes mundiais entreguem a liderança de seus países para ele.
Durante este teste a Sociedade da Justiça chega à Terra-2 em 1.942 e finalmente se une às duas equipes.

A missão agora e neutralizar as bases dos mísseis de Degaton e derrotá-lo!
Superman, Robotman e Sr. Destino enfrentam o Ultraman no satélite transmissor de Per Degaton.
Liberty Belle, Starman e Aquaman enfrentam a Supermulher em uma base de mísseis num atol sob domínio japonês.
Gavião Negro, Caçadora e Johnny Quick, enfrentam no Meio Oeste americano, o vilão Anel Energético, e descobrem mísseis em silos de grãos.
 
Comandante Aço, Poderosa e Nuclear enfrentam Johnny Quick do Sindicato do Crime na Suíça.
Disposto a resolverem esta crise, Lanterna Verde, Flamejante e Zatanna procuram o Professor Zee e avisam que em 1.947 o assistente dele, Per Degaton irá roubar o invento que em 42 é apenas um protótipo.
Energizando-o, os heróis viajam no tempo e no espaço para a Terra Primordial em 1.962 impedindo que o Sindicato roube os mísseis.
Em 1.942 os heróis derrotam Degaton em sua base, momentos antes do mesmo acontecer em 1.962.
Com a derrota na Terra Primordial o paradoxo temporal anula todos os eventos, fazendo com que o encontro entre as equipes transcorra sem a interrupção e sem a memória desta crise! O Sindicato então permanece preso na bolha energética.
Detalhe que desde a Crise em Apokolips havia um interesse romântico entre Nuclear e Poderosa.
Também temos que perceber que há uma ruptura na narrativa.
O Sindicato trai Per Degaton e sai para conquistar a Terra 1, mas logo aparece trabalhando de novo para o vilão temporal dizendo ter recebido uma nova proposta de Degaton. Eles viveram uma aventura em DC Comics Presents Annual # 1.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…