Pular para o conteúdo principal

Vícios & Virtudes (2002)

Escrita por David Goyer & Geoff Johns, com lápis de Carlos Pacheco e finais de Jesús Merino, publicada nos EUA na graphic novel de capa dura Virtues & Vices (2002) e no Brasil em edição especial da Panini Comics em julho de 2003, esta história estabelece a retomada da tradição dos encontros anuais das equipes, que até 2009 ainda não foi plenamente restabelecida.
A fuga dos “7 pecados capitais” provocada por Johnny Pranto quando petrificou o Mago Shazam, faz com que alguns heróis das equipes Liga da Justiça e Sociedade da Justiça sejam contaminados. Pranto é um inimigo da Sociedade da Justiça e foi reapresentado no arco Injustiça seja feita, onde reúne uma nova Sociedade da Injustiça.


Ao mesmo tempo começam a existir ondas de violência e irracionalidades, que descobriremos serem manifestações de controle mental de Despero, alienígena inimigo da Liga. Ele é um inimigo clássico da Liga, estando presente em quase todas as encarnações da equipe, inclusive em um arco sério na fase cômica da equipe. Atualmente pode ser visto na série Trindade.




As equipes são divididas e parte da deles são aprisionadas na Torre do Destino – lar do Sr. Destino – e parte vai para a terrível dimensão do limbo, onde a Sociedade enfrentou o Ragnarok até ser resgatada por Tempus em Armaggedon 2001: Inferno (1992).
Os reservas são convocados e invadem a Pedra da Eternidade onde partem para o ataque a Pranto, até que conseguem libertar o Capitão Marvel e na seqüência Shazam que aprisiona os pecados capitais, restando apenas às equipes o enfrentamento direto aos vilões.
Mas não é tão simples, Despero possuiu Lex Luthor, na época, presidente dos EUA no DCU (DC Universe) e controla mentalmente as forças armadas que leva a um enfrentamento com os heróis.
A integração das equipes permite a derrota dos vilões.

Agradecido por ser libertado, Luthor aceita financiar a reconstrução da sede da Sociedade da Justiça destruída nesta história. A nova sede estrearia no breve encontro do ano seguinte e seria destruída no último arco da série JSA, escrito por Paul Levitz onde a equipe enfrenta o Fantasma Fidalgo.
Após a 52/III Guerra Mundial já na série Justice Society of America v3 surge uma nova sede.
A história é bem narrada e funciona de verdade, tendo hábeis 90 páginas, mas talvez o formato em que foi originalmente lançada nos EUA – uma graphic novel em capa dura e seis meses depois um encadernado de capa mole – tenha afastado um pouco os leitores que acompanhavam as séries mensais.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…