Pular para o conteúdo principal

Crise de Consciência (2005)

Crise de Consciência é uma boa história especialmente por que usa trinta anos de cronologia e de inconsistências a seu favor.

Vamos por partes.

Houve um grande grupo de vilões conhecido como Sociedade Secreta dos Super-Vilões. Em seu auge, nos anos 1.970, a equipe teve uma série mensal. Voltaremos a falar desta série no futuro.

A equipe de vilões conseguiu trocar de corpos com a Liga da Justiça na fase do satélite. A história pode ver vista no encadernado “DC 70 anos, Liga da Justiça”.

Ao final da história os vilões esquecem a troca de corpos graças à Zatanna.


Recentemente em Crise de Identidade, descobriu-se que Dr. Luz cometeu um abuso supremo e teve sua memória apagada e sua identidade redefinida. Batman chega poucos minutos depois e descobre a verdade e tem sua mente também apagada. Assim, Zatanna e a Liga agiram em três momentos para apagarem a memória dos vilões e mesmo de companheiros.

Então em 2.005, quando este arco foi publicado estávamos próximos de Crise Infinita e o núcleo central da Liga estava disperso. Batman havia programado um satélite para espionar os heróis e vilões do mundo, mas a máquina fugiu ao seu controle, tornando-se o Irmão Olho. A Mulher Maravilha atravessou uma longa fase que a mostrava de forma mais guerreira, ao final, escolhendo salvar o amigo Superman, que estava sob o controle de um vilão com poderes mentais e já havia ferido gravemente o Batman, a heroína decide matar o vilão quebrando seu pescoço.

Mal sabia que as TV’s mundiais estavam transmitindo a batalha!

Com este clima de desilusão com os heróis Crise de Consicência, escrita por Geoff Johns e Allan Heinberg, com lápis de Chris Batista e finais de Mark Farmer, nos mostra Despero (veja Vícios e Virtudes e Liga da Justiça – fase cômica) restaurando a memória da Sociedade Secreta, exatamente quando a Liga, desestruturada, questiona os atos do passado.


A formação da equipe lembra a fase do satélite com Lanterna Verde Hal Jordan, Arqueiro Verde, Canário Negro, Flash (III, o Wally West) e como convidados Zatanna, Aquaman, Mulher-Gato, Tornado Vermelho, Batman e J’Onn J’Onzz – este efetivamente não esteve envolvido no imbróglio original.

Depois de iniciado a trama há duas divisões. A equipe enfrenta a Sociedade Secreta que recordando os fatos, ataca as pessoas próximas dos heróis. E J’Onn descobre que Despero está por trás de tudo e junto com Aquaman o enfrenta, até que subjugados, os heróis – a Liga – se divide entre controlados e não controlados.

Apesar de não estar envolvido na limpeza de memória provocada por Zatanna, J’Onn é considerado culpado por Despero, pois anos atrás, num arco “não cômico” da fase cômica da Liga manipulou mentalmente o vilão, equiparando-se aos atos da maga.

Despero é derrotado e aprisionado em Oa. A Sociedade Secreta é derrotada, e Zatanna questionando sinceramente a moralidade de seus atos, novamente apaga a memória dos vilões.

Assim, como prenúncio de Crise Infinita a Torre de Vigilância é destruída, poucos momentos depois de J’Onn iniciar uma pesquisa de recrutamento para uma nova equipe.

Esta é o penúltimo arco da série JLA iniciada em 1.997 com Grant Morrison nos roteiros. Oficialmente não há mais a equipe.

Continuações:
A próxima aparição de Zatanna é em 7 Soldados: Zatanna. Após a conclusão de 7 Soldados e de Crise Infinita, Zatanna restaura a amizade com Batman na longa fase de Paul Dini (um fã da personagem) na série Detective Comics e com a Liga na série Justice League of America volume 2.

A próxima aparição da Liga é no último arco da série JLA, chamado “Um mundo sem a Liga”. Ao final deste arco e da série Crise Infinita a equipe é reconstruída na série Justice League of America volume 2.

A próxima aparição de Sociedade Secreta, J’Onn, Batman, Superman e Mulher Maravilha é em Crise Infinita #01. A amizade entre o trio é refeita em Justice League of America volume 2 e posteriormente em Trindade, uma maxi-série semanal.

J’Onn J’Onzz após Crise Infinita tem participação no especial “Bravo novo mundo” e uma minisérie, longa e tola. Afastado da Liga, infiltra-se a pedido de Batman entre os vilões que são enviados para um planeta afastado (O planeta dos condenados). Anteriormente teve brevíssima participação na reestruturação dos Renegados, agora sob supervisão direta do homem-morcego. Em seguida é assassinado no início de Crise Final e seu corpo, controlado pelas energias negras da Tropa dos Lanternas Negros retorna em “A noite mais densa”.

Veja aqui a listagem das Crises da DC Comics.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…