Pular para o conteúdo principal

Superman: Earth One

JM Straczynski e Shane Davis recriam a lenda do Superman para um possível selo da DC Comics chamado genericamente de “Earth One”.

Clark Kent chega em Metropolis e com o complexo da geração X, sem saber o quê fazer da vida, sensibiliza-se com a coragem de uma repórter e um fotógrafo de um diário local que já teve dias melhores.

Começa uma invasão do planeta pelo mesma raça responsável pela destruição de Krypton.

Quase 120 páginas mostrando que Straczynski autor premiado e criador da melhor série de ficção científica de todos os tempos – Babylon 5 – da qual escreveu metade da primeira temporada e os episódios das temporadas 2 a 5 sozinho, perdeu seu rumo.

Incapaz de escrever séries mensais – veja a trajetória com Supreme Power, Thor, Superman e Wonder Woman – o autor foi afastado recentemente dos títulos do homem de aço e da amazona. Uma pena.

Shane Davis não é a melhor escolha e ponto. Novato e sem um estilo expressivo, Davis talvez venha a ser um grande artista. Parece-me aquele feijão-com-arroz-padrão-iniciante-da-Image.

A história não ajuda. Não empolga. Parece apenas mais uma história de invasão em larga escala. Já li meia dúzia só neste ano. Se contar todas ultrapassam cinquenta.

O objetivo era apenas a recontagem da origem do Superman para um novo público e formato – álbuns de 120 páginas e não fascículos. Muita gente criticou e disse que não seria economicamente viável para a indústria. Straussiano ajudou a sepultar esta tentativa do mercado americano em aproximar-se do modelo franco-belga que é um álbum por ano com cerca de 48 páginas.

Mas não percamos por completo a esperança. Geoff Johns (Lanterna Verde) e Gary Frank (Superman: Origem Secreta e Supreme Power) estão escrevendo Batman: Earth One.

Superman acabou de ter sua origem recontada em Superman: Origem Secreta (com roteiros de Geoff Johns) e a Warner anuncia que o tom do próximo filme será mais próximo de Superman: Birthright (2003), série que foi escrita para aproximar o universo da série de TV Smallville com a série em quadrinhos.

Se o filme fizer sucesso e gerar interesse a DC poderá lançar as diferentes versões da origem do herói: Homem de Aço (1.986), Birthright (2.003), Origem Secreta (2.009) e Earth One (2.010). Cada um para um público.

Escolha a sua!

Veja as três partes do post "Precisamos de uma nova origem para o homem de aço?" que tratava sobre as questões de múltiplas origens para o personagem (Parte 1, 2 e 3).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…