Pular para o conteúdo principal

Precisamos de uma nova origem para o homem de aço?, III

Mais alguns anos se passaram, autores de primeiro escalão assumiram o personagem e na rasteira de mais uma revisão cronológica provocada por choques de realidade Geoff Johns e Kurt Busiek assumem o homem de aço resgatando muitos elementos que tinham sido cancelados por Byrne.

O sucesso deste resgate de elementos fez com que a DC confiasse a Johns uma revisão ampla da origem do herói numa série chamada “Origem Secreta”, uma nomenclatura tradicional que a editora usa para contar as origens de seus personagens.

Com dois astros de ponta, Geof Johns e Gary Frank (artista com traço bastante elegante em contraposição ao estilo “riscado” de Francis Yu, desenhista de O legado das estrelas) a série é a nova origem “definitiva” do Superman... e por definitiva digo até que uma nova direção da editora decida valorizar algum aspecto desconhecido do personagem e então faça uma nova origem.

* * *

Atualizar um personagem para uma nova audiência é algo muito comum nos quadrinhos. A desculpa clássica de vender mais não se aplica indiscutivelmente hoje, por que já se criou uma cultura de reedição em formatos de encadernados de sucesso.

Watchmen publicado originalmente em 1.986-87, certamente é o maior exemplo disto. Continua vendendo e muito!

Aqui não se compara o texto de Moore ao de Byrne ou que qualquer autor que deseja recontar a origem do homem de aço, apenas se deixa claro que o que motiva não é apenas vender, é também vender!

Superman chegou num momento de sua existência em que a produção de um filme, por problemas legais de copyright tem que ser feita, sob risco da Warner Bros. proprietária da DC Comics perder os direitos e ter que ir para o mercado comprá-los novamente.

O sucesso recente do reinício da série de Batman mostrou que sob algumas óticas os personagens são funcionais no cinema, mesmo que o filme Superman Returns (2006) tenha produzido material inferior, talvez tão somente por não ser um reinício da série, mas uma continuação da cine-série iniciada por Richard Donner.

Diante da possibilidade de um novo filme e – certamente – de uma nova série de animação – que inevitavelmente virá na rasteira – a DC se encarregou de produzir um guia de referência para os autores se basearem. Poderão seguir ou não, mas a editora terá algo para apontar para os leitores e dizer “a série que inspirou os autores do novo filme do Superman”.

Além disso a história é bem contada, bela de ser lida, bonita aos olhos.

Gary Frank (Incrível Hulk, Poder Supremo) produz um traço bem aceitável e se não inova nem tem uma diagramação exuberante tem o poder do traço bonito das massas volúveis doutrinadas na estética Image Comics. É impactante no conjunto lápis, tinta e cores e funciona bem na história. É, acima de tudo, uma narrativa compreensível e fácil para qualquer leitor.

Olhando o caminho transcorrido talvez tenha sido O legado das estrelas completamente desnecessária. Foi publicada no momento errado. Mark Waid tinha um projeto junto com Mark Millar, Tom Peyer e Grant Morrison para assumir as séries mensais do Superman.

Certamente em sua origem estavam extratos desta história que os quatro gostariam de contar, assim como em Grandes Astros: Superman está parte da história que Morrison gostaria de contar. A diferença é que o produto de Morrison, mesmo não muito adequado a neófitos nos quadrinhos do autor escocês é uma grande obra que influenciou a direção tomada pela DC Comics pois mostrou que parte do conteúdo dos anos 50, 60, 70 e 80 pode ter relevância hoje, mesmo com um autor que não produz uma obra linear como ele.

Já a série de Waid, comparado à de Morrison que se tornou referência, virou apenas nota de rodapé, enquanto a de Byrne caminhando para seu 25º ano continua uma releitura agradável e divertida.

Guia de leitura para a origem do Superman:
* Superman Crônicas volume 1 e 2 (Panini Comics)
* O homem de aço (Mythos Editora e Editora Abril)
* Superman: O legado das estrelas (Panini Comics)
* As quatro estações (Panini Comics e Editora Abril)
* Superman Premium (Editora Abril, parte do material)
* Superman (Panini Comics, após o evento “Um ano depois”, um desdobramento de “Crise Infinita” e “52”)
* Superman: Origem Secreta

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!