Pular para o conteúdo principal

Liga da Justiça #90 inicia a nova fase

A principal notícia da edição é que Justice League of America terá um arco publicado em uma edição “anual” em agosto. A Panini utiliza o mesmo padrão em Superman e Batman (este terá o segundo anual).

É uma estratégia que visa corrigir o erro que foi a revolu$ão Panini, no sentido de havia várias histórias para publicar e a diminuição de páginas não foi programada com antecedência. Em termos é como se Superman, Batman e Liga da Justiça continuassem com 100 páginas pelo menos durante o primeiro semestre da mudança.

A culpa realmente não é da Panini, mas sim do momento em que escolheram a mudança. As histórias neste momento estão muito interligadas.

Justice League: Cry for Justice #01 (set/2009) de James Robinson e Mauro Cascioli mostra Hal Jordan e Oliver Queen fazendo um racha na Liga da Justiça para formarem uma equipe que não aguardasse a ação dos criminosos e sim frustrasse os planos antes de ocorrerem.

A capa dupla mostra que a versão radical da Liga será composta por Lanterna Verde, Arqueiro Verde, Elektron, Supergirl, Congorilla, Capitão Marvel Jr, Starman e Batwoman.

A primeira edição convence. Heróis estão insatisfeitos e a criminalidade está em ascensão. Pistas apontam para o vilão Prometheus, vilão da fase da Liga da Justiça na mãos de Grant Morrison.

Porém o discurso de heróis mais radicais foi tentado tantas vezes que não acho mais viável.

Veremos. Nos EUA a série foi muito criticada.

Justice Society of America volume 3 #23 inicia o arco Entre a Pedra e o Inferno por Geoff Johns & Jerry Ordway, J. Ordway e Bob Wiacek. O arco tem três partes e irá até o número 25. O vigéssimo sexto é a última história de Geoff Johns para a equipe, e as edições 27 e 28 trazem um pequeno arco em fill-in do Ordway.

Depois de meses procurando Ísis – a quem acredita estar morta, mas indícios mostravam outras informações – Adão Negro a encontra e vinga-se de Felix Fausto. A vingança também se estende ao Capitão Marvel (Billy Batson), atualmente ocupando o lugar de Mago.

Adão usa com ele a mesma magia que o menino havia usando com final de "52/3ª Guerra Mundial": altera as palavras para ter acesso ao poder dos deuses.

Se, por um lado a história decepciona por apenas restaurar o status quo da série Capitão Marvel, por outro é um oportunidade de ver novamente Ordway, que havia sido o responsável por The power of SHAZAM! – uma série do Capitão Marvel da década de 1.990 – cuidar dos personagens.

É também uma oportunidade de que se corrija algumas mudanças da época de Crise Infinita. Alguns diriam que a mudanças como a morte do Mago Shazam e a escolha de Billy para novo mago foram boas alterações, outros acreditam que não se deve fazer muita mudança na série do Capitão Marvel.

Para terminar a edição Flash Rebirth #01 de Geoff Johns & Ethan Van Sciver. Barry está de volta e os amigos que prepararam festas de recepção lembram-se de alguns momentos, enquanto o próprio está com a síndrome do não perder tempo. Savitar, um dos velocistas da DC morre ao acessar a força de aceleração e é inserido mais alguns detalhes do passado de Allen mostrando que seu pai pode ter assassinado sua mãe, o quê o influenciou para o que o motivou para a “investigação de cenas de crimes” – tão em moda na TV recentemente.

Meio parada e com um sentimento palpável de crescendo, sempre aguardando uma bomba para explodir. Barry Allen, o segundo e mais conhecido Flash está de volta e a série trata de seu posicionamento no universo de heróis, mas ainda tem muito água para rolar por aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…