Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 9

O penúltimo item da lista dos 10 mais da década é:

9) Poder Supremo de JM Straczynski, Gary Frank e Jon Sibal – Esqueça Homem-Aranha (exceto, talvez, o primeiro arco)! Se fosse quer saber por que Straczynski é para a indústria assista aos 120 episódios de Babylon 5!

Junto com Os Sopranos, Babylon 5 é uma das melhores coisas na produzidas na TV em todos os tempos – uma das, não as, entendam.

Nos quadrinhos Straczynski tem altos e baixos. Poder Supremo, produzida para o selo Marvel Max da Marvel Comics é um ponto alto.

A série reconstrói a equipe “Esquadrão Supremo” da Marvel. Esquadrão Supremo é a segunda equipe da editora que era baseada na equipe Liga da Justiça da divina concorrente. A primeira é o grupo de vilões “Esquadrão Sinistro”. Na verdade, Roy Thomas, criador da equipe, primeiro mostrou a versão maligna dos heróis, para depois mostrar a versão boa.

Ao longo dos anos, o Esquadrão foi coadjuvante de Vingadores e Defensores e recebeu uma longa série em doze números que se assemelhava muito à Watchmen, no sentido de como seria um mundo fictício com a co-existência de super-seres: eles tomam o poder!

Gruenwald sempre quis deixar claro que se inspirou na obra de Alan Moore. Depois a equipe teve sua versão da Crise nas Infinitas Terras, chamada Death of a universe. Ora se a equipe era baseada em personagens da DC por que não um evento que deixasse ainda mais claro a situação.

Os anos se passaram e a equipe continuou a aparecer por aí. Então Straczynski foi convidado por Joe Quesada para fazer sua passagem no Homem-Aranha e nos intervalos criou uma história definitiva!

O quê realmente aconteceria se um alienígena caísse na Terra? A resposta: seria criado pelo governo, com educação para valorizar os EUA e sua cultura e, na idade certa, fazer parte das forças militares.

E esta raça alienígena? Não iria preparar o terreno, introduzindo nano-tecnologia capaz de modificar humanos para dar suporte ao alienígena que certamente irá governar o mundo e precisará de tenentes e mulheres capazes de dar a luz a seus filhos?

Sim, isto acontece e surgem vários personagens, mas a versão local do cavaleiro das trevas é um negro cuja família foi assassinada pela Ku Klux Klan e hoje é milionário e racista, concentrado apenas na sua minoria.

Apesar de excelente, a série não teve uma final legal. Depois de um excelente volume (Poder Supremo), reiniciou-se como Esquadrão Supremo e só teve sete números. Neste momento Gary Frank se afastou e Straczysnki já não entregava mais roteiros. E a Marvel passou a bola para Howard Chaykin (American Flagg).

Um conselho: corra para os sebos e procure as edições de Marvel Max (da Panini Comics) que tem histórias da série. Vai demorar décadas para você ver algo tão intenso e bem feito novamente.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…