Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 9

O penúltimo item da lista dos 10 mais da década é:

9) Poder Supremo de JM Straczynski, Gary Frank e Jon Sibal – Esqueça Homem-Aranha (exceto, talvez, o primeiro arco)! Se fosse quer saber por que Straczynski é para a indústria assista aos 120 episódios de Babylon 5!

Junto com Os Sopranos, Babylon 5 é uma das melhores coisas na produzidas na TV em todos os tempos – uma das, não as, entendam.

Nos quadrinhos Straczynski tem altos e baixos. Poder Supremo, produzida para o selo Marvel Max da Marvel Comics é um ponto alto.

A série reconstrói a equipe “Esquadrão Supremo” da Marvel. Esquadrão Supremo é a segunda equipe da editora que era baseada na equipe Liga da Justiça da divina concorrente. A primeira é o grupo de vilões “Esquadrão Sinistro”. Na verdade, Roy Thomas, criador da equipe, primeiro mostrou a versão maligna dos heróis, para depois mostrar a versão boa.

Ao longo dos anos, o Esquadrão foi coadjuvante de Vingadores e Defensores e recebeu uma longa série em doze números que se assemelhava muito à Watchmen, no sentido de como seria um mundo fictício com a co-existência de super-seres: eles tomam o poder!

Gruenwald sempre quis deixar claro que se inspirou na obra de Alan Moore. Depois a equipe teve sua versão da Crise nas Infinitas Terras, chamada Death of a universe. Ora se a equipe era baseada em personagens da DC por que não um evento que deixasse ainda mais claro a situação.

Os anos se passaram e a equipe continuou a aparecer por aí. Então Straczynski foi convidado por Joe Quesada para fazer sua passagem no Homem-Aranha e nos intervalos criou uma história definitiva!

O quê realmente aconteceria se um alienígena caísse na Terra? A resposta: seria criado pelo governo, com educação para valorizar os EUA e sua cultura e, na idade certa, fazer parte das forças militares.

E esta raça alienígena? Não iria preparar o terreno, introduzindo nano-tecnologia capaz de modificar humanos para dar suporte ao alienígena que certamente irá governar o mundo e precisará de tenentes e mulheres capazes de dar a luz a seus filhos?

Sim, isto acontece e surgem vários personagens, mas a versão local do cavaleiro das trevas é um negro cuja família foi assassinada pela Ku Klux Klan e hoje é milionário e racista, concentrado apenas na sua minoria.

Apesar de excelente, a série não teve uma final legal. Depois de um excelente volume (Poder Supremo), reiniciou-se como Esquadrão Supremo e só teve sete números. Neste momento Gary Frank se afastou e Straczysnki já não entregava mais roteiros. E a Marvel passou a bola para Howard Chaykin (American Flagg).

Um conselho: corra para os sebos e procure as edições de Marvel Max (da Panini Comics) que tem histórias da série. Vai demorar décadas para você ver algo tão intenso e bem feito novamente.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…