Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 5

Chegado à metade de minha lista de séries preferidas da década de 2.000

5) SJA de Geoff Johns, James Robinson, David Goyer & vários – Nenhuma série de equipe de super-heróis funcionou tão bem neste período.

Criada realmente em 1.999 com James Robinson e David Goyer nos roteiros, o badalado inglês Robinson foi fazer roteiros duvidosos no cinema e Johns, que já havia trabalhado na série de especiais “O retorno da Sociedade da Justiça” assumiu a série e continuou com Goyer até a edição 51. Depois sozinho até o final, sendo substituído em alguns momentos por Keith Champagne e Paul Levitz.

Nunca vi uma série onde os personagens se comunicassem tão bem – talvez a Legião de Levitz & Giffen. Aqui eles realmente parecem uma família e esta a trama que permeia quase todas as edições: a restauração ou a continuidade de uma família.

A Sociedade da Justiça da América é a primeira equipe de heróis em quadrinhos e reunia os personagens do núcleo DC Comics da National Periodicals. A regra (flexível, diga-se de passagem) era que, se um personagens não tinha uma série própria (com seu nome) ele poderia estar na equipe.

As histórias da série All-Star Comics não são grande coisa. É o pastiche da época. Era em capítulos, o primeiro e o último com a reunião da equipe, e os intermediários, um para cada personagem mostravam o tal personagem solitariamente combatendo o crime com a missão determinada no primeiro capítulo.

A equipe retornou com o estabelecimento do Multiverso (veja aqui) e com a primeira Crise nas Terras-1 e 2 (veja aqui), anualmente retornando para o encontro. Na década de 1.970 esteve em All-Star Comics e Adventure Comics. Na década de 1.980 em All-Star Squadron e Infinity, Inc. Com a Crise nas Infinitas Terras (veja aqui), foi enviada para uma dimensão paralela (veja aqui) e ficou até o início da década de 1.990 retornando em duas séries chamadas Justice Society of America volumes 1 e 2.

Apesar do sucesso inicial das séries elas foram canceladas. Em 1.998 houve um evento chamado “JSA Returns”, e se aproveitando do sucesso da série “JLA” de Grant Morrison a DC lançou “JSA”. Em 2006 “JSA” foi cancelada e atualmente temos “Justice Society of America volume 3”, sendo mensalmente publicado.

O grande arquiteto de tudo isso é o bom moço Geoff Johns, um autor reconhecidamente simples e humilde da indústria, um dos poucos.

Johns construiu suas histórias de maneiras bem amarradas e sempre seu tema é a família. No primeiro arco temos que encontrar o corpo em que se encarnará o novo Senhor Destino, temos dois arcos sobre a corrupção de Manto Negro, filho do Lanterna Verde Allan Scott, um arco sobre como o amor pode romper a morte e retornar com o Gavião Negro, além de vários arcos onde os descendentes de criminosos ou heróis ameaçam ou ajudam a equipe – todos usados de forma inteligente – e principalmente como más influências podem manchar um bom nome (a relação Adão Negro e Esmaga-Átomo).

Há viagens no tempo, encontro de Sociedades de época diferentes, perda de heróis para o Alzheimer, sacrifícios, restauração de uma família – a do Homem-Hora – e casamento entre heróis sem uma óbvia festa invadida – Homem-Hora II e Liberty Belle. Há surpresas sinceras como o filho do Pantera, algo que ele sempre desejou.

Todos os personagens são tem profundidade e não são bidimensionais, ocos. Há personalidade em todos e sabemos realmente como vão agir, por que houve espaço para mostrar a maneira de cada um deles procede.

Meu personagem favorito na série é o Sr. Incrível, um campeão olímpico do decatlo, cheios de doutorados e phd, inventor e rico (vendeu sua empresa para a WayneTech quando começou a agir junto com a SJA) que perdeu a fé quando sua esposa foi assassinada. Junto com Amanda Waller, Senhor Incrível é o personagem negro mais crível dos quadrinhos.

Veja bem, é difícil encontrar um arco ruim, mas é a típica série de heróis, que diverte e com conseqüências, sim. Johns sempre usou a série para mostrar as mudanças do universo DC – arcos com o Mordru, Espectro/Hal Jordan, o re-estabelecimento da Terra-2, o Eclipso, o DOE, Kobra e seus apocalipses, Amanda Waller são personagens freqüentes – e inclusive tentativas de voltar a criar os encontros anuais da Liga e Sociedade (veja as duas tentativas orientadas por Johns aqui e aqui).

O certo é que ironicamente começo a série nacional da Liga da Justiça (da Panini) lendo a aventura da Sociedade da Justiça, que invariavelmente é melhor do que a série principal.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…