Pular para o conteúdo principal

Micro história de um macro multiverso

O Multiverso é uma série de mundos semelhantes separados por vibrações distintas.

Flash (Barry Allen) foi o primeiro a alcançar um outro mundo e o chamou de Terra-2, tomando por base que a Terra dele seria a Terra-1.

O Multiverso deixou de existir em Crise nas Infinitas Terras (1985).

A Terra que surgiu após o evento é conhecida apenas como Nova Terra.

Esta Terra teve alterações e correções de continuidade nos eventos Zero Hora (1.994) e Crise Infinita (2.005).

A DC Comics sentiu falta de ter várias dimensões para contar histórias alternativas para seus personagens e criou os especiais ElseWhere Worlds (ou ElseWorlds), sendo o primeiro Gotham by Gasligth (1.989) e o último Superman – Red Son (2.003).

Nas séries O reino (continuação direta de O reino do amanhã) e do Flash, Mark Waid tentou re-estruturar o retorno das várias dimensões e obteve o sucesso parcial com o conceito do Hipertempo, que não foi muito levado a sério.

Certamente pelo fato de que Alex Ross falou mal do projeto O reino, ao qual não foi convidado a participar.

Ross dizia que muitos dos relacionamentos básicos da série e alguns personagens foram criados por ele e que Waid não teria possibilidade de desenvolver adequada as tramas!

A partir de 1.999 com “Crise Interdimensional” e o retorno de Sociedade da Justiça na série de sucesso JSA, a equipe da Era de Ouro recebeu atenção e material de qualidade, criando aos poucos uma nova tradição de encontros anuais que realmente só retomariam em 2.003, com a graphic novel Vícios & Virtudes de Geoff Johns & Carlos Pacheco.

Sem ameaças ao Multiverso os encontros tinham o tema do almoço do “Dia de Ação de Graças” (Vícios, Virtudes & Tortas de abóbora) ou complexos arcos (A saga do relâmpago).

Mesmo sem as várias dimensões houve a graphic novel “Terra 2”, onde no universo de antimatéria encontramos as contrapartes dos heróis do nosso universo, equivalente assim à antiga Terra 3.

Esta graphic novel foi durante algum tempo considerada não-canônica, mas os personagens apresentados apareceram em um arco de The Adventures of Superman, JLA (As regras do sindicato) e até mesmo na série Liga da Justiça/Vingadores.

Não se sabe sem dúvida nenhuma qual será o status desta “Terra-2”, mas alguns sugerem que a história será apenas realocada para a nova “Terra-3”.

Com Crise Infinita (2005) e sua continuação “52” (2006) o Multiverso foi reconstruído, agora com apenas 52 dimensões.

Em “Contagem Regressiva” e na série “Em busca de Ray Palmer” esta dimensões alternativas foram visitadas exaustivamente.

Mais recentemente em “Um mundo sob Gog” descobrimos a Terra-2 clássica, a Terra-22 (da série O reino do amanhã) e diálogos deixam claro a existência da Terra-1 clássica separada na Nova Terra.

Veremos ao que isso nos levará!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…