Open top menu
domingo, 19 de janeiro de 2014


Eu conheci o trabalho de Neil Gaiman em 1989 quando li Orquídea Negra. Tinha catorze anos e tudo era muito divertida e estranho. Depois veio Sandman, que apesar de adorar Prelúdio & Noturnos – ainda tinha catorze – só entendi a proposta da série realmente depois de Casa de Bonecas e Estação das Brumas.

Não gosto de Marvel Knights 1602, o trabalho que ele fez para a Marvel, que é apenas um (mais um) universo alternativo, mas tenho acompanhado seu trabalho em literatura. Deuses Americanos é um trabalho estupendo, seus contos em Coisas Frágeis são inteligentes, Filhos de Anansi consegue estender um universo sem cair no óbvio e O livro do cemitério é tocante.

Ainda assim não estava preparado para a trama de O oceano no fim do caminho (Intrínseca, 2013, ISBN 978-85-8057-368-8, Tradução de Renata Pettengill). A trama é simples, como são as coisas da vida. Um homem de meia idade retorna para a cidade de nascimento para um enterro. Decide visitar a antiga casa e por extensão, uma casa no final da rua, onde viveu uma grande experiência quando tinha sete anos. A história narra esta experiência.

O texto é mágico. Gaiman fala de coisas reais e fantasia e são poucos os momentos em que é possível fazer uma distinção entre o real, o fantástico e o imaginário. Há ecos de seus trabalhos anteriores, mas não são óbvios nem fáceis de serem encontrados – estaria eu, enganado?

O livro trata das lembranças e de como nós cuidamos delas, fornecendo alimento ou retirando o essencial para que elas vivam em nós eternamente.

Um romance essencial para quem gosta de fantasia, do fantástico e de compreender o quê a vida nos transforma.
Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários