Pular para o conteúdo principal

Superman, 10 histórias, 8ª: The Sandman

Em 1992 a edição Superman Special! #01 escrita e desenhada por Walt Simonson trazia na capa dois avisos “kryptonite no more!” e bem abaixo “Doomsday is coming!”, deixando claro o destino do herói em poucos meses.

A edição, inédita no Brasil até hoje, trouxe uma releitura da Sandman Saga, conhecida por aqui como “A saga da criatura de areia”, onde após um acidente o homem de aço se depara com uma criatura de areia de origem desconhecida, que a cada oportunidade de encontro, suga-lhe parte dos poderes.

Simonson bebe na fonte da história original e faz uma aventura que homenageia elementos do momento cronológico da primeira versão como Jimmy Olsen, Projeto Cadmus e Legião Jovem, mas que não foram utilizados e em seguida simplifica a história, dando espaço para a ação do empresário Lex Luthor, que na história original estava “de molho” quando daquele processo de reformulação.
Basicamente a trama trata de um experimento em uma subsidiária de Luthor que destrói a kryptonita existente no mundo. O herói é atingido por uma onda de energia e dos escombros surge um homem de areia, que passa a sugar as energias do herói kryptoniano.

Ao perceber o padrão, Luthor tenta se apropriar da criatura para usá-la em seus enfrentamentos com o Superman.

Certamente não é uma história original, já que explicitamente referencia a história de O'Neil & “Swanderson”, mas Simonson sabe impor um ritmo e terminar a trama em apenas 48 páginas, algo que talvez tenha faltado na saga dos anos 1970: a brevidade.

Curiosamente a edição não vem com o escudo na capa. Naquela época a DC Comics já utilizava um escudo nas capas das séries do homem de aço, para deixar claro ao leitor a posição da edição na cronologia anual do Superman. Esta edição especial não utiliza este recurso, podendo ser encaixada em qualquer momento de 1992. Porém várias assinaturas do artista deixam claro que se produziu a série em março e propagandas internas anunciam um filme, Pet Cemetary 2, com lançamento previsto para agosto. Deixando claro que foi lançada em algum momento entre abril e agosto de 1992.

Indicado para curiosos e fãs de Walt Simonson.



Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…