Pular para o conteúdo principal

Superman, 10 histórias, 7ª: Superman: Doomsday & Beyond

Meu maior incômodo com A morte do Superman, que já analisei aqui sob o ponto de vista do mercado, da história e de suas sequências (clique nos links para ler) é que além de uma história risível é muito, muito, mas muito longa.

O evento A morte, em si é pequeno. Nove aventuras que duram dois meses. Depois tem o Funeral (mais dois meses), depois o Legado (um mês) e depois O retorno (quatro meses). Se alguns destes eventos tinha apenas (“apenas” aqui é usado em sentido irônico) as quatro séries do homem de aço de então como capítulos semanais, em O retorno a coisa cresceu muito, envolvendo uma série de títulos secundários da DC, em especial a série Green Lantern, onde provocou profundas alterações.

Ou seja, além de ruim a história era enorme e pretendia envolver todo o Universo DC (DCU)

Mas como não falar da Morte quando se fala em histórias do herói? Para tantos A morte foi o ponto de partida para perceber o último filho de Krypton. Para tantos foi o momento em que a Editora Abril passou a se preocupar em aproveitar o marketing e adiantar cronologias lançado (e relançado) várias edições especiais. Até hoje a história é permanentemente reeditada em vários formatos. Apesar da baixa qualidade geral a trama é de fundamental importância para o personagem.

Preferi então abordar o evento através do excelente livro “Super-Homem: Morte e Ressurreição” (Editora Abril, 1995, ISBN 85-7305-202-3), tradução de Superman: Doomsday & Beyond (Bantam Books, 1993) escrito por Louise Simonson e com arte de Dan Jurgens & José Luis García-López e capa de Alex Ross.

Louise Simonson foi a escritora da série Superman: The Man of Steel e junto com o artista Jon Bogdanove ficava encarregada de abordar histórias mais humanas do último kryptoniano. Crianças perdidas, mães famintas, drogadas e aidéticas, a questão do negro, o terrorismo, a revolta adolescente, o consumismo e tudo mais em um tom que o leitor das aventuras do homem de aço não pudesse se chocar. Além disso era também a responsável pela ligação das aventuras das quatro séries (Superman, Action Comics, Adventures of Superman e Superman: The Man of Steel), mostrando até onde cada escritor poderia ir sem interferir na trama da semana seguinte.

Considerando o ego de alguns autores, certamente não era uma tarefa fácil, o quê também não impediu tramas redundantes em alguns momentos.

O livro consegue em rápidas 209 páginas resumir toda a série de morte e ressurreição e ainda inserir na história pontos importantes de Man of Steel, a série de John Byrne que reapresentou o herói ao mundo em 1.986.

Falando de forma resumida, Simonson condensa todas estas aventuras e cria uma narrativa capaz de prender a atenção dos leitores de quadrinhos que não foram apresentados ainda aos livros. Sem nenhuma complexidade e retirando da trama personagens secundários de outras séries (como Liga da Justiça e o Lanterna Verde), Louise Simonson faz um livro envolvente, descomplicado e de rápida leitura. Por si só isto já torna o livro superior à versão em quadrinhos.

Merece a leitura.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…