Pular para o conteúdo principal

Review: O livro do cemitério

De tempos em tempos surge alguma coisa que beira a poesia, ainda que esteja um pouco longe. O livro do cemitério (The graveyard book, 2008) de Neil Gaiman é assim. O romance é um livro infantil e cumpre facilmente o quê qualquer um dos livros da série Harry Porter tenta e nem sempre consegue – bem, talvez os três primeiros, quando ainda era uma série infantil – que é divertir, emocionar, criar uma história com lição para as crianças. Por ter esta moral sua leve como uma fábula.

No livro, um bebê sobrevive ao massacre da família e é adotado pelo casal Owens, um casal de fantasmas do cemitério próximo à sua residência, tendo como guardião o misterioso Silas. Na narrativa, curta, temos as experiências de vida de Ninguém Owens – o nome que o garoto recebe – e seu crescimento. Destoa um pouco o capítulo final onde temos o verdadeiro objetivo do “homem chamado Jack”, o assassino, e a perseguição final ao garoto Owens, mas certamente é um grande livro e poderia facilmente estabelecer uma nova mitologia.

Há uma leveza no aceitar a existência de fantasmas, ghouls, sabujos de Deus e anjos que só pode ter equivalente em outro livro de Gaiman Os deuses americanos (2001), com suas passagens com diálogos com deuses, semi-deuses e mortos-vivos. Tudo soa estranhamente natural.

Vale a pena.

-----
post scriptum: Acho que Gaiman irá fazer escola ao chamar licantropos de “os sabujos de Deus”, mesmo que a ideia por si só não seja verdadeiramente inédita, já que temos o RPG da White Wolf Lobisomem: o apocalipse, onde os licantropos não deixam de ser “enviados de Gaia”.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!