Pular para o conteúdo principal

Curtas e Longas Metragens

Caso você esteja nos visitando a pouco tempo e não seja um fã de quadrinhos, não custa explicar. Durante a maior parte de sua histórias as editoras licenciavam seus produtos para outras empresas produzirem filmes, séries de TV e séries animadas.

Recentemente o quadro se alterou. A Marvel Comics tornou-se parceria em produções e investiu capital em longas de animação – Ultimates, Ultimates 2, Homem de Ferro, Dr. Strange – e alguns filmes. O resultado positivo criou histórias bem mais próximas do conteúdo dos quadrinhos. Algumas como Ultimates, praticamente idênticas.

Isto acionou o departamento de animação da Warner Brothers, proprietária da DC Comics. A Warner desde o fim dos anos 1.980 tem mantido séries de animação de excelente qualidade. Produziu Batman Adventures, Superman Adventures, Batman Beyond, Batman & Robin Adventures, Justice League, Justice League Unlimited – todas produzidas por Bruce Timm -, além de Turma Titã, The Batman e Batman – The Brave and The Bold.

Entendendo a estratégia da Marvel, a Warner/DC iniciou uma série de longas mais constantes em que adaptava de forma mais fiel histórias recentes e algumas clássicas. Desta leva veio A morte do Superman, Liga da Justiça – A nova fronteira, Liga da Justiça – Crisis in Two Earths (aqui), Lanterna Verde – Primeiro Vôo (aqui), Mulher Maravilha, Superman/Batman – Inimigos Públicos (aqui), Batman Under the Red Hood (aqui), entre outros. Além dos longas, a parceria também nos tem contemplado com curtas de animação com personagens sem série própria. Atualmente foram produzidos dois Showcase, um com Espectro – aqui – e outro com Jonah Hex – aqui.

A estratégia geral é que aproximando o lançamento de um filme com um personagem baseado em quadrinhos as companhias de animação produzirão um longa com uma história significativa do mesmo personagem.

Entre outros lançamentos devemos lembrar que o filme Watchmen teve a história “Contos do Cargueiro Negro”, uma adaptação animada da trama que faz parte da história em quadrinhos Watchmen, como um de seus extras no DVD. Apesar de ser um extra, nos quadrinhos é essencial para entender o clima opressor de “fim do mundo” paupável que a história deseja passar. Uma das músicas do trilha sonora do filme só está presente na animação.

A DC Comics promete para breve a adaptação de Contrato de Judas (uma história clássica dos Novos Titãs, a promessa mais antiga desta animações) e um novo filme com os Lanternas Verdes, aqui preparando o terreno para o filme live action do ano que vem. Este filme daria foco na Tropa dos Lanternas Verdes e não em Hal Jordan.

A Marvel, agora uma subsidiária da Disney, investe em uma nova série do Homem-Aranha e possivelmente dos X-Men, preparando terreno para os reboots das duas franquias, ao mesmo tempo em que tem atenção nos lançamentos dos filmes Thor, Capitão América, Vingadores e Homem de Ferro 3.

O Omelete soltou uma nota sobre os próximos projetos, disponível aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…