Pular para o conteúdo principal

Rei Rato de China Miéville


A primeira impressão que o texto de China Miéville passar é de empolamento. Suas frases cheias de referências são grandiloquentes, criando descrições intensas e lembrando a escrita de Sagarana, passando a ideia de texto produzindo, pensando e obviamente cinematográfico. Às vezes soa artificial, e mesmo quando delicioso, reconhecemos um certo artificialismo.

Dizer que não lembra uma série de outros autores seria uma mentira, ao mesmo tempo que dizer que não é original. Miéville é original a seu termo, pois seu foco não é na história, mas no ambiente. Recria a trama mais batida da literatura inglesa: após morte do pai, com quem tem pouco contato, SAUL GARAMOND, descobre-se ligado a uma sinistra criatura que lhe apresenta uma visão distinta de sua Londres. Daí surge o fantástico, uma herança e um conflito com uma criatura que põe em risco a sua existência.

O autor procura descrever uma Londres com um pé no real e outro no onírico; assim como explicar ao leitor parte do conceito musical que inspira o trabalho – parte, porque em última instância quem não tem contanto com aquele estilo não poderá compreender perfeitamente o ritmo que Miéville tenta criar.

Há um sabor de DEPOIS DE HORAS, ALICE, DEUSES AMERICANOS, apenas para ficar nos mais óbvios. Há também um quê do “menino príncipe injustiçado”, ainda que disperso em tanto texto. Miéville corre um sério risco de virar um pastiche de ideias já executadas como maestria por outrem. Num determinado momento força uma história de romance entre um príncipe rato e uma sem-teto louca. Seria terno, exceto que não há sexo (na sequência e no livro) e que ao leitor é impossível esquecer o fedor dos personagens. Se algo consegue ultrapassar do livro é o sentido do olfato. Os personagens fedem!


Às vezes o conflito de Saul em assumir uma herança não convence. Em contraponto sua rápida aceitação de sua nova condição, também não. É diferente dos diálogos que vemos, por exemplo, em UM OCEANO NO FIM DO CAMINHO de Neil Gaiman, que, de tão realistas, soam artificiais. Se em Gaiman é apenas o diálogo que é artificial e provoca um choque, aqui parte do cenário soa artificialmente, forçado. Tudo parece bloco de texto cuidadosamente costurados seguindo uma receita.

Mas Miéville consegue criar bons diálogos e cenários, ambos cinematográficos, como já disse. E isso salva o livro e nos provoca a continuar a leitura. Falta evidentemente uma motivação verdadeira ao seu vilão, pois perseguir o sobrevivente não se sustenta a não ser que estejamos lendo FÁBULAS (em tempo o livro é de 1998 e Fábulas, a série em quadrinhos da VERTIGO é de 2001).

Mesmo com uma tradução que busca explicar a sonoridade cockney de um dos personagens e a dezena de termos musiciais, o livro tem ritmo e é fácil de ser lido. Porém sempre fica uma impressão de distanciamento. De estarmos assistindo e não imersos na trama, por isso nem mesmo algumas reviravoltas na trama soam surpreendentes de fato. Soam como um gigantesco “passo a passo do novo escritor”, pontuais; as vezes imperceptíveis; mas ao mesmo, estão aí tão estruturados que sabemos alguns lances com páginas – e capítulos – de antecedência.

REI RATO, China Miéville, ISBN 978-85-61541-29-3, tradução Alexandre Mandarino, Tarja Editorial, 2011.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…