Pular para o conteúdo principal

Prison Break: decepção em série

Séries de TV são feitas em alguns casos a toque de caixa e trazem reviravoltas tolas. Assim é a série Prison Break que consegue facilmente ganhar um troféu de pior série da década.

A série fala sobre a tentativa de Michael Scofield de resgatar seu irmão, Lincoln Burrows, da prisão. Burrows está no corredor da morte por ter assassinado o irmão da vice-presidente e se diz inocente. Scofield não se vê preocupado com com provar ou não a inocência do irmão, mas com pesquisa e conhecimentos de engenharia civil – ele trabalhou na empresa responsável pelo prédio – consegue executar a fuga, o que gasta os 24 episódios da primeira temporada.

Na segunda temporada em vez de fugir para o Panamá, como planejado, decidem resgatar o filho de Lincoln, LJ, este envolvido no assassinato da mãe e do padrasto e posteriormente inocentado para atrair o pai e o tio, e os irmãos se envolvem em várias tramas para financiar a fuga que falha em vários níveis graças ao agente de FBI, Alex Mahone. As tramas se resolvem em parte ao final da temporada, reunindo todos no Panamá e inocentando Burrows e Sara Tancredi – médica envolvida nas tramas de Scofield e que resultou em paixão.

Mas agora há uma nova prisão chamada Sona no Panamá de onde Scofield deverá fugir em sete dias. Ele foi para a cadeia por ter assassinado um agente enviado para matá-los. Scofield realmente consegue, em onze dias, após idas e vindas, levando um funcionário da Companhia, a empresa conspiratória por trás do suposto assassinato. Nestas idas e vindas, Sara Tancredi é assassinada em função da atriz estar grávida.

Esta terceira temporada é prejudicada ainda mais pela greve dos roteiristas, o quê a leva a ter apenas 13 episódios. Já na quarta temporada, onde cooptados por um agente os fugitivos devem resgatar informações que poderiam derrubar a Companhia temos o retorno do ciclo de reviravoltas pouco uteis à história.

Repleta de mudanças inverossímeis como ressurreições de personagens, traições e repetições de tramas com personagens secundários, a série termina bem pior do que começa: a metade final da quarta e última temporada inclui um jogador novo na trama que faz com que os eventos entre os episódios 4x12 e 4x22 tornem-se ainda mais redundantes e impossíveis de serem críveis.

O mérito da série fica por conta da dupla de atores que interpreta os irmãos Scofield & Burrows, simpática e capaz de prender a atenção do expectador diante da longa e tediosa série.

O público que assiste e admira a série às vezes compara com Lost – série que foi exibida no mesmo período. Critica as viagens no tempo, misticismo e reviravoltas de Lost, mas esquece que a proposta desta segunda série sempre foi o mistério e o extraordinário, enquanto Prison Break supostamente seria a fuga de um homem extremamente inteligente de uma prisão intransponível e o processo de provar a inocência de seu irmão.

Fuja!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…