Pular para o conteúdo principal

Review: A guerra dos tronos, o livro

A guerra dos tronos é o primeiro volume da série As crônicas de gelo e fogo de George R R Martin, série de se pretende ser de sete volumes. Atualmente está sendo publicado nos EUA o quinto volume da série.

Martin, mestre em jornalismo, tem um estilo rápido com diálogos afiados e inteligentes, talvez em função de sua experiência na TV e cinema. Decepcionado com estas mídias, ele disse que seus roteiros tinham constantes cortes para se adequar ao orçamento dos estúdios e quando decidiu romper e ir para a literatura, criou tudo grandioso, deixando claro que não se importava com a possibilidade daquilo nunca ser adaptável. Flertou primeiro com a ficção científica, antes de passar para a fantasia medieval na segunda metade dos anos 1.990 quando já estava iniciando os preparativos para a trilogia cinematográfica O senhor dos anéis.

Erra, no entanto, quem imaginar que verá uma nova Terra-Média em Westeros, o continente central das tramas de As crônicas de gelo e fogo. Apelidado pela imprensa de ‘o novo Tolkien’, Martin deve sentir-se honrado com isso, mas suas tramas têm muito mais paixão do que honra. O Um Anel jamais encontraria seu fim na Montanha da Perdição se caisse nas garras de um Lannister, um Targaryen ou um Baratheon.

A volumosa obra de George Martin é composta de cenas, assim como a série de TV adaptada dela, Game of Thrones. Cada capítulo tem de quatro a oito páginas e apresenta uma cena, no máximo três, sob o ponto de vista do personagem escolhido – chamado de “personagem ponto de vista”. Funciona, realmente! Nos importamos com o destino de todos e entendemos o complexo jogo de honra e poder que está acontecendo e que irá definir os rumos deste reino imaginário.

A edição brasileira tem 567 páginas e é fácil ler 100, 200 de um fôlego só, por que queremos realmente saber o quê vai acontecer com os personagens e sabemos que serão suas escolhas e não a magia, que irão definir o rumo dos acontecimentos. Nisso ganha facilmente da obra-prima do mestre inglês J.R.R. Tolkien: o foco de Martin é o ser humano.

A guerra dos tronos narra a escolha da nova Mão do Rei do Rei Robert Baratheon. Seu amigo de adolescência, Lorde Eddard Stark, regente de Winterfell, um reino do norte, é escolhido para o cargo e vê-se num ninho de serpentes, que piora razoavelmente quando ele descobre a razão da morte da Mão anterior.

Mais ao norte, numa área congelada, separada dos Sete Reinos pela Muralha e guardada pela Patrulha da Noite, surge a ameaça de um selvagem que poderia estar liderando tribos e criaturas para um ataque aos Reinos. Será fato ou apenas boatos aumentados? Mas a Patrulha da Noite não vive seus melhores dias, sendo hoje apenas um agregado de bastardos, covardes, violentadores e ladrões. Poderia esta Patrulha estar pronta quando chegar a hora? E com os Sete Reinos perdidos no emaranhado de suas próprias tramoias, alguém ouvirá as súplicas dos dirigentes da Patrulha por recursos? Talvez nem mesmo a Muralha, com seus 200 metros de altura sejam suficientes para conter este avanço.

No distante leste, um casamento entre o comandante de uma manada de 40 mil cavalos e a última herdeira legítima do Trono de Ferro poderá representar o desiquilíbrio nesta sutil balança. Ou talvez... não!

Uma excelente leitura, mas que fique claro: é apenas o início das tramas, nada é verdadeiramente concluído aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…