Pular para o conteúdo principal

Perry Rhodan #848: Titã, o último bastião


Perry Rhodan retorna à vida dos brasileiros no formato virtual, próprio para os leitores acostumados a ler em computador ou tablets. Após confirmação do pagamento é possível fazer o download que vem acompanhado de três arquivos (mob, e-pub e PDF) e o leitor escolhe a mídia que deseja ler e por extensão o formato de arquivo mais adequado.

A estratégia é ousada e favorece a pirataria, afinal posso reenviar facilmente o arquivo, mas o preço – pouco menos de R$6,00 – favorece a honestidade. Por sinal, sem honestidade não haverá sobrevida à cinquentenária série.

Tenho apenas a impressão que o ciclo atual, o 13º da série, chamado Bardioc, que vai do episódio 800 a 867 deveria ter uma atenção diferenciada. O melhor, devido ao novo formato seria mais interessante iniciar em um ciclo mais significativo (qual?) e publicar os ciclos anteriores de forma alternada. Talvez um episódio de jubileu – como são chamados os episódios de início de ciclos. Economicamente criaria um problema como duas traduções e sempre a lembrança de que há uma informação para trás, algo que em uma série de 2.300 episódios publicados é impossível não ter.

[Trama]
A trama do episódio trata da viagem do lare Hotrenor-Taak à Titã, a última fortaleza dos super-pesados neste sistema solar para uma missão em prol da humanidade, mesmo certo que não terá gratidão.

De fundo, a trama sobre o retorno da Terra à sua posição original e o risco da existência de um buraco negro.

[Impressões]
A trama realmente tem uma boa dose de ação, mas é evidente que o leitor – mesmo o fã de Rhodan – sente-se acordado em um trem (uma nave?) desgovernado! Não há maneira de compreender perfeitamente todas as tramas em aberto e todas as implicações. De um modo geral é como comprar uma edição do Homem-Aranha depois de seis anos sem ler nada… e no meio de um arco.

(Evidentemente no caso do Aranha a Marvel em dois ou três anos retornará ao status quo padrão e você reconhecerá o personagem como alguém que não evolui; sempre desempregado e sem esposa. Acho que no caso dele, os leitores se divertem em imaginar alguém estagnado e incapaz modificar positivamente sua vida.)

Apesar de minhas resistências pessoais ao formato digital, que inclusive me levaram a parar de adquirir edições do Comixology, acompanharei a série. Por sinal, sempre é bom lembrar: o Comixology periga tornar-se para os quadrinhos o equivalente à Amazon nos livros ou o Google nas buscas e serviços. Em síntese: estou nadando contra a corrente.

Perry Rhodan
-1
0
+1
847:
Metamorfose
13º ciclo:
Bardioc, episódio 48
848:
Titã, o último bastião
13º ciclo:
Bardioc, episódio 49
Kurt Mahr
849:
Salto sobre o abismo
13º ciclo:
Bardioc, episódio 50
Kurt Mahr

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…