Pular para o conteúdo principal

Justice League, The Satellite Years 1976

Em 1.976 a coisa não melhora muito para a Liga da Justiça da América, a principal equipe de heróis da DC Comics. Talvez o motivo seja as histórias com tramas que não ganham credibilidade. De qualquer modo a entrada de Gerry Conway traz de volta a Mulher Maravilha e dá espaço para o Lanterna Verde e o aspecto cósmico da equipe, algo como o único time de combatentes do universo, capaz de fazer seres de outros mundos contactá-los. Ao mesmo tempo as aventuras de cunho social perdem espaço. Ainda estão lá, já bem diluídas no contexto da aventura. Outro ponto positivo é que as aventuras passam a ser narradas em duas ou três partes, trazendo, em geral, tramas mais elaboradas, ainda que exageradas como a aversão ao dinheiro em papel ou alienígenas que observam e aprendem com a humanidade, nem sempre coisas boas.

Mas vamos lá.
O ano começa com Justice League of America #126 (jan/1976) onde temos “The Evil Connection!” de Gerry Conway, Dick Dillin e Frank McLaughlin que dá continuidade à trama da última edição do ano anterior (veja ano anterior aqui). Nesta edição o Armeiro Chefe Kiman resgata Duas Caras da Liga, mas o vilão estranhamente auxilia os heróis ao instalar um dispositivo que sobrecarrega os justiceiros, permitindo-os derrotar os qwardianos. Claro que a Liga percebe que esta sobrecarga põe a Terra em risco com este resultado e se entrega, permitindo sua derrota.

Derrotando os heróis, o circuito entra em curto e param de sugar energias do universo dos dronndarians, encerrando o risco ao nosso universo. Não me empolguei.

Em fevereiro a edição #127 traz The command is “Chaos!” com a mesma equipe de produção. A Liga enfrenta The Anarchist e seus agentes que sequestram alguns delegados das Nações Unidas. Seria uma aventura simples com confrontos em dois momentos e vitória da equipe no final. Mas Conway introduz que o principal antagonista está se alimentando de energias da bateria do Lanterna Verde e sugestionando Hal Jordan a recarregá-la obrigatoriamente a cada 24 horas. O conceito geral poderia ser melhor aproveitado.

De complemento um vilão chamado O Anarquista que tem sonhos de domínio global e a pouco sutil crítica aos primeiros TV preachers, aqui embalada em um mágico com uma fé muito forte e se revela o vilão da trama. Por favor, não peça para aprofundar na questão de como se suga a energia da bateria.

As edições #128-129 trazem “Death-visions of the Justice League!” e “The Earth dies screaming!” uma aventura em duas partes por Martin Pasko, D. Dillin e Frank McLaughlin. Apresenta o retorno da Mulher Maravilha à equipe, logo após a edição #222 da série regular da personagem. Nekron, um vilão alienígena, expõe os membros da LJA aos seus maiores medos e eles decidem desativar a equipe, mas a derrota na mão do vilão, o retorno da heroína e uma ameaça à Midway City, lar do Gavião Negro, leva a aventura para a edição seguinte, onde o Campeão Alado trabalha amarrado no laço de amazona, que impede que seu medo reja seus atos e assim, obedeça a heroína, salvando a cidade que adotou como lar.

A trama é bem rocambolesca e chega a envolver de forma direta um Guardião do Universo e estabelecer um tipo especial de medo (“D-Fear, the terror that men radiate in the face of death”). Em determinado momento Tornado Vermelho se sacrifica ao auxiliar Gavião Negro e Mulher Maravilha, mas evidentemente as tramas de destruição do androide são muitas e esta são se sobressai. Então os heróis enfraquecem Nekron em uma longa batalha e ele, enganado, absorve D-Fear do Superman para se alimentar. Tem uma overdose e entra em colapso, sendo derrotado.

A edição #130 (maio) traz a aventura “Skyjack at 22,300 miles!” com a mesma equipe de produção anterior, que mostra uma ameaça alienígena que se fundiu ao Flash e Gavião Negro quando eles acionam o teletransportador para irem para o satélite. A história serve para explicar a forma como foi construído o Satélite e é um dos “an untold tale from the Justice League of America Casebook” e se passa após o término da construção, chegando a mostrar o Superman mostrando esquemas de distribuição de salas e andares para os companheiros. Na aventura, Gavião narra como construiu o satélite utilizando tecnologia kryptoniana e thanagariana e foi auxiliado pelo Superman e Lanterna Verde.

No geral a aventura é focada no confronto com os híbridos criados pelos heróis fundidos, e por isso lembra um pouco à estrutura do filme A mosca (1986, portanto dez anos depois da publicação desta aventura), que por sua vez era uma releitura de um longa chamado A mosca da cabeça branca, que narrava uma experiência onde o cientista troca sua cabeça com a de uma mosca. Curiosamente a cabeça do dharlu que ocupa o corpo de Flash chama bastante a atenção.

As edições #131-132 trazem “The beasts who thought like men” e “The beasts who fought like men!” novamente com Gerry Conway, D. Dillin e F. McLaughlin, onde uma praga contamina o dinheiro forçando os americanos a passarem a utilizar o dinheiro de plástico (cartão de crédito) que tem secretamente embutido um dispositivo de Sonar (→ Green Lantern #14) que domina os americanos e animais, com o auxílio de Abelha Rainha.

A trama não convence, mas na segunda edição troca as explicações demasiadas por ação, melhorando e incluindo a Supergirl (que levará ao mistério inicial da próxima edição) e confirmando um espaço privilegiado para o Lanterna Verde nas narrativas.

Em agosto a edição #133 traz “Missing-- One man of steel!” com a mesma equipe de produção. Aqui o Superman é levado a um mundo distante, para, junto com um androides com a aparência dos membros da Liga enfrentar a ameaça de Despero (→ Justice League of America #01). Derrotado o homem de aço e seus androides, resta aos alienígenas convocarem a verdadeira Liga na edição seguinte (#134) em “The battle at the Edge of Forever!”, mas uma outra raça (os Krill) sequestra os antagonistas para um jogo cósmico.

Outubro inicia o team-up com a Sociedade da Justiça e que irá até o encerramento do ano. A edição #135 traz Crisis in Eternity!, um cross-over da Liga da Justiça, da Sociedade e do “Shazam's Squadron of Justice” que reúne heróis da Terra-S como Capitão Marvel, Mary Marvel, Capitão Marvel Jr, Bulletgirl, Bulletman, Ibis the invincible, Mr. Scarlet, Pinky e Spy Smasher. Por E. Nelson Bridwell & Martin Pasko, Dick Dillin & Frank McLaughlin. A segunda edição do cross-over traz “Crisis on Earth-S!” e leva a conclusão para a terceira parte na edição #137 com “Crisis in Tomorrow!” Como já resenhei todos os encontros não irei me repetir. Veja aqui a resenha do evento.

The Satellite Years
Ano
Edições
#78-86
#87-95
#96-103
#104-108
#109-114
#115-125
1976
#126-137
















































Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!