Pular para o conteúdo principal

Battlestar Galactica, a minissérie [2003]


Exibida originalmente em 8 e 9 de dezembro de 2.003 no Sci Fi Channel, esta minissérie em dois episódios (180 minutos) foi escrita por Ronald D Moore e Glen A. Larson e dirigida por Michael Rymer. É o ponto de partida para a 'reimaginada' Battlestar Galactica criada por Ronaldo D Moore a partir da série original de Glen A Larson, criada em 1978.

[A trama]
40 anos após um cessar-fogo de sua guerra original, os cylons, robôs criados para auxiliar os seres humanos, iniciam uma nova investida contra Caprica e por extensão a todas as 12 Colônias

Agora os robôs tem doze modelos de cylons de aparência humana – que serão revelados lentamente durante toda a série, mas de imediato descobre-se quatro – e pretendem destruir a humanidade e impor o 'deus único e verdadeiro' que adoram aos 'deuses de Kobol'.
A série tem vários focos. O religioso é um deles, mas não o mais importante. A verdadeira questão é aquela que permeia o filme Blade Runner: as criações do homem seguirão seus passos e repetirão seus erros ou conseguirão trilhar um caminho mais nobres? Genocídio é uma caminho nobre?

E outra: Poderá a humanidade, reduzida a pouco mais de 50 mil pessoas resolver seus conflitos e se unir contra um inimigo comum e definitivo?

[Os personagens]

Elenco
Ator
Personagem
Edward James Olmos
Comandante William Adama
Mary McDonnell
Laura Roslin
Katee Sackhoff
Tenente Kara Thrace, Starbuck
Jamie Bamber
Capitão Lee Adama, Apollo
James Callis
Dr. Gaius Baltar
Tricia Helfer
Número Seis
Callum Keith Rennie
Leoben Conoy
Grace Park
Tenente Sharon Valerii, Boomer
Michael Hogan
Coronel Saul Tigh
Matthew Bennett
Aaron Doral
Paul Campbell
Killy Keikeya
Aaron Douglas
Chefe Galen Tyrol
Kandyse McClure
Anastasia Dualla, Dee
Alessandro Juliani
Tenente Felix Gaeta
Tahmoh Penikett
Tenente Karl Agathon, Helo

A sequência de abertura é fundamental para descobrir os vícios e atitudes de vários dos personagens. Battlestar Galactica é uma nave de guerra que está em cerimônia de descomissionamento – aposentadoria em termos militares. Lá se reúnem o rígido Comandante William Adama, rompido com o filho, Lee Adama, o Apollo (os pilotos da série tem nomes de guerra como os pilotos da Força Aérea norte-americana).

O Comandante tem que controlar pilotos insubordinados como Kara Thrace, a Starbuck, ou seu alcoólatra XO, Saul Tigh, um homem fraco, mas profundamente fiel à amizade que tem com seu comandante e amigo.

Em Caprica, a secretária de educação, Laura Roslin, vê-se diante de um câncer, talvez incurável e para terminar de compor os conflitos, o cientista Dr Gaius Baltar tornar-se uma personalidade depois de desenvolver novos códigos para a rede de defesa das 12 Colônias, auxiliado por uma misteriosa e fatal mulher loira (a Número 6), a quem não perde a oportunidade de trair com outras mulheres.

[O desenrolar]
O desenrolar é tenso, realmente. Com a morte do presidente e do secretariado, Laura Roslin, 43ª na linha de sucessão, torna-se a nova presidente das 12 Colônias, ou dos sobreviventes delas (ao longo do episódio descobriremos que de bilhões de pessoas, só restaram cerca de 50 mil seres humanos!).

Um dos focos da série e das temporadas seguintes será o conflito entre as preocupações humanitárias de Laura e o aspecto militar de William Adama. Aqui o conflito é que Adama quer partir para o ataque – em uma guerra perdida, com uma nave caindo aos pedaços de tão velha – e ela deseja unir os poucos sobreviventes em nave capazes de viajar à velocidade da luz e alcançar um novo mundo.

Fugir, no entanto, não é uma opção para Adama, que procura o abastecimento de sua nave, deparando-se com um cylon em forma humana. Dias depois recebe de uma fonte confidencial a infomração sobre os doze modelos.

Uma dos conflitos mais interessantes é a consciência de culpa de Gaius Baltar que gera uma “Número Seis” que passa a conversar com ele ao longo dos episódios, eventualmente fazendo passar por louco ou excêntrico, ao mesmo tempo que tenta esconder sua associação com a cylon e o fato de que cedeu acesso à Rede de Defesa das 12 Colônias.

Laura Roslin é crua quando pergunta ao Comandante Adama se fará um golpe de estado, mas os dois se acertam quando o comandante, entendendo que para continuar os sobreviventes das 12 Colônias devem ter um objetivo, mente e diz saber a rota para a 13ª Colônia perdida, a Terra!

Então o objetivo da série é que os sobreviventes das 12 colônias – cerca de 50 mil pessoas – cheguem a uma mítica colônia perdida chamada Terra, que ninguém tem relatos reais de como chegar.

Uma grande produção do Sci Fi Channel (hoje Sy Fy), que continua a ser reprisada e vale a pena a atenção.































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…