Pular para o conteúdo principal

Neil Gaiman em Dr Who

Exibido no sábado 11 de maio de 2013 o episódio “Nightmare in silver” (12º episódio, 7ª temporada) foi escrito por Neil Gaiman, autor conhecido pelo fandom por suas obras de fantasia como Sandman, Deuses Americanos, Coisas Frágeis, entre outros.

Gaiman ressuscita a ameaça dos Cybermen de Cyberiad, capazes de assimilar humanos e fazer upgrades constantes, tornando-se virtualmente invulneráveis – fãs de Star Trek reconhecerão o padrão Borg nos vilões.

Na trama o Doutor leva Clara e as crianças Angie e Artie para o Mundo de Hedgewick, anteriormente um grande parque de diversões intergaláctico, e agora um planeta abandonado e isolado por ordem do Imperador. Mas lá, os cybermen evoluem a partir de forma insetóides (cybermites) e dominam alguns exemplares de cybermen em exposição no parque, assim como as crianças e o cérebro do Doutor!

Surge o Cyber-Planejador que passa a duelar no xadrez com o Doutor por seus dados armazenados em seu cérebro – informações vitais dos Lordes do Tempo.

A tensão cresce ao se descobrir que há três milhões de cybermen nos porões do planeta, e que a única solução talvez seja a destruição definitiva da base, algo que já foi feito antes com a galáxia de Tiberion, onde esteve localizado o mundo natal da raça de conquistadores.

[Crítica]
O episódio consegue ser poético ao tratar o tema das responsabilidades totais: o Imperador tomou uma decisão que permitiu vencer a guerra, mas isso lhe custou a paz. Para tanto ele se isolou. O restante é a canastrice padrão de Matt Smith interpretando o Doutor e uma versão contaminada dele chamada Sr. Cleaver/Cyber-Planejador.

Divertido e assustador se pensar que o imperador isolou um planeta de alegria para si, tencionando recuperá-la e mesmo assim não a recuperou. Uma fábula sobre a solidão advinda do poder e sobre as responsabilidades de seu uso.

























Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…