Pular para o conteúdo principal

Batman & Robin: A vingança do Capuz Vermelho

Nem bem esfriava o cadáver de Jason Todd a DC Comics já deu permissão para outro autor usar o personagem.

A bem da verdade é mais provável que Grant Morrison, autor deste arco, tenha tido autorização e já tenha desenvolvido a trama antes do uso dele em A batalha pelo capuz. De qualquer modo o que quero deixar claro é que novamente Jason Todd, o segundo Robin, assassinado pelos leitores no final dos anos 1.980 voltava para assombrar o homem-morcego e seus seguidores.

A trama ilustrada por Philip Tan e com finais de Jonathan Glapion foi publicada originalmente em Batman and Robin #04-06 (novembro/09-janeiro/2.010) e no Brasil em Batman #96-97 da Panini Comics (nov-dez/2.010) e mostrava um novo esforço de Todd, usando uma nova encarnação de Capuz Vermelho (ele já tinha apropriado-se de uma anos antes, que foi adaptada para animação, veja aqui) e com uma garota como parceira mirim, a Escarlate, torna-se um vigilante que mata e que supostamente faz a diferença.

A Escarlate é a única menina que infecta pelo droga do Professor Porko não tornou-se uma bonecatrônica obediente do vilão (veja aqui).

Novamente temos a questão dos limites do homem-morcego e se sua vigilância seria completa sem ser o júri/juiz/executor dos criminosos.

Teria ele alguma responsabilidade pelos crimes que sua galeria de vilões cometeu? Afinal ele poderia ter matado o Coringa ao final do primeiro caso!


De plano de fundo a construção do cenário da ausência de Bruce Wayne – sim! ninguém sabe que o milionário morreu! – sempre em viagens e com informes de avistamentos distantes; a apresentação pública de Damian Wayne; a inabilidade de Dick Grayson em auxiliar Lucius Fox na Wayne Enterprise, sendo então substituido por Damian e a introdução do misterioso autor Oberon Sexton, o coveiro, que raptado junto com a esposa, que faleceu, teve o rosto desfigurado e usa uma máscara de couro negro.

Uma das reuniões de criminosos de Gotham City acontece e o Pinguim é notificado que El Penitente – um suposto chefão que está chegando à cidade – encarregou-se de enviar para a lá o Flamingo.

A reunião é atacada pelo Capuz Vermelho & Escarlate e a nova dupla dinâmica se vê frente à frente com seus antagonistas, que se enfrentam, fogem, capturam Batman e Robin num outro momento, expõe a identidade aos interesses do público numa nada sutil alusão à morte original de Todd: Capuz Vermelho cria um disque identidade onde o homem-morcego e o menino prodígio serão exibidos nús após uma determinada quantidade de votos – que é rapidamente conseguida.

Ao final Capuz é preso e Escarlate foge, deixando finalmente cair a máscara presa pelo Professor Porko, numa alusão simbólica a um período que fica para trás. Robin (Damian) tem sua coluna danificada e Batman decide telefonar para Talia para que ela use seus médicos no garoto (Ele não sabe que a mãe do menino mantêm clones do filho para substituição de peças danificadas).

É também introduzido neste arco o vilão Flamingo, extremamente violento e sádico, que é aparentemente enterrado vivo numa sequência ao final do arco, mas dado à natureza próprias das persistências dos personagens nos quadrinhos, consegue fugir. Creio que um personagem tão interessante criado com o cruzamento do macho latino com o Coringa, porém com uma pitada a mais de sadismo, deve retornar em algum momento como vilão principal.

A história termina com dois ganchos: I) alguém cujo diálogo dá a entender ser El Penitente, mas não fica explicíto, em que nas costas há um grande W gravado aparentemente com ferros em brasas, telefona para Oberox Sexton dizendo que “O seu segredinho não é segredo para mim” e chantageando o autor a fazer algo – desde a apresentação do personagem se suponha o envolvimento no assassinato da esposa e isto afasta o leitor da verdade; II) Dick abre uma câmara onde está o corpo de Batman resgatado pelo Superman nos últimos momentos de Crise Final. Quais seriam os interesses do jovem Grayson?

Seria El Penitente com seu W em brasas Bruce Wayne? Ou seria o “coveiro”, numa alusão ao fato de Batman estar morto? Se não em ambos os casos quem seriam então El Penitente e Oberon Sexton? Personagens totalmente novos? Ou releituras de conceitos antigos?

---
Post Scriptum:
Paralelo aos eventos da série Batman and Robin temos o desenhista Tony Daniel na série Batman como dublê de escritor; temos a série Detective Comics ocupada pela Batwoman de Greg Rucka e JH Williams; o surgimento das séries Batman: Streets of Gotham inicialmente de Paul Dini que continuava o relacionamento de Batman e a Polícia de Gotham City e Gotham City: Sirens que serviu de casa para Mulher Gato, Arlequina e Hera Venenosa.
Por fora o universo do homem-morcego era extendido com Batman: Confidential que contava narrativas do herói em outros momentos cronológicos e Red Robin que continuou a trajetória do Tim Drake.
Tim Drake, o terceiro Robin, adotado oficialmente por Bruce Wayne e um dos herdeiros da fortuna Wayne acreditava que Bruce estava vivo e via indícios disto em pistas diversas. Dick, Damian e toda a comunidade de heróis, rendida pela existência de um cadáver acreditavam que o garoto sofreu um abalo nos julgamento provocado pela dor da perda do amigo, tutor e agora pai.
Só a título de curiosidade: há alguns anos na série Batman: Gotham Knights de Devin K. Grayson o primeiro Robin Richard Grayson que inicialmente tinha sido tutelado à Wayne foi oficialmente adotado. A história já foi publicada no Brasil.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…