Pular para o conteúdo principal

Batman & Robin: Batman Renascido

Quando escrevi sobre Batman & Filho relatei que pouca coisa na indústria é tão bom quanto o primeiro arco de Grant Morrison numa série. E é verdade.

Depois da A batalha pelo capuz, decidiu-se que Dick Grayson será o novo Batman e Damian Wayne o novo Robin. E então começa a série cuja ação de tem vários focos: 1) a tentativa de Grayson de fazer juz à sombra de Batman; 2) a tentativa de Grayson de moldar adequadamente a personalidade de Damian; 3) a possibilidade de azeitar o relacionamento entre Grayson e Damian, de modo a criar um clima de confiança e honestidade.

No primeiro arco, repleto de cenas de ação temos o surgimento de uma nova galeria de vilões composta pelo traficante Sapão e o Professor Porko, uma espécie de auto-denominado rei do crime, e seu Circo do Estranho, enquanto a nova dupla dinâmica se apresenta para o Comissário Gordon e tenta seu lugar ao sol.. ou ao luar.

Não são raras as sequências onde Robin discorda de Batman ou age com violência desproporcional e que Dick sente-se inseguro de seu papel.

Um dos métodos de ação do Professor Porko é implantar uma máscara que desfigura a pessoa e a deixa obediente à suas ordens, além de a despersonalizar. Com a passagem da trama descobre-se que era uma droga extremamente viciante na forma de um vírus e que Porko pretendia usar a droga para chantagear a cidade, infectando a todos.

Uma garota consegue resguardar sua personalidade, apesar de temer a perda do rosto e por isto não retira a máscara, mas sobrevive ao processo sendo contatada pelo novo Capuz Vermelho.

Não deixa de chamar a atenção o fato que Sapão foi misteriosamente assassinado na prisão por outro personagem e que ele recebia o pagamento com dominós (veja a primeira sequência da série), além do fato de que o assassino deixou uma bucha de doze no local em que Sapão foi morto. Alguém estaria deixando pistas para o homem-morcego? Quem?

Porko imita o sequestrador de O silêncio dos inocentes
Por Grant Morrison e Frank Quitely, publicado originalmente em Batman and Robin #01-03 (agosto a outbro de 2.009) e no Brasil em Batman #92-93 (julho/agosto de 2.010), Panini Comics.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…