Pular para o conteúdo principal

Batman: Batman tem que morrer!

Em Batman #672-675, publicado no Brasil em Batman #76-79 da Panini Comics e escrito por Grant Morrison com arte de Tony Daniel e Ryan Benjamin e finais de Jonathan Glapion, Sandu Florea e Saleem Crawford, há um arco conceitualmente muito forte.

Batman enfrenta novamente o terceiro policial disfarçado como Batman – uma trama que iniciou no primeiro arco, veja aqui – e ao ter uma parada cardíaca devido a um explosivo detonado próximo ao tórax, morre clinicamente durante quatro minutos, tempo em que a falta de oxigênio no seus cérebro provoca uma visão de dois períodos distintos de privação: alguns anos atrás a pedido do exército e um recentemente durante o Thorgal, um período de trinta dias de isolamento.

Veja que Morrison não inventa nada. Clinicamente é a falta de oxigênio no cérebro que explica os flashes de imagens que algumas pessoas que passaram por situações limites como afogamento tem. A grosso modo é a explicação para para “revi toda a minha vida rapidamente”.

Ao amarrar as pontas, mas nem todas, Morrison explica que o convite do exército se deve a um projeto do governo que acreditava nos efeitos positivos da presença de um homem-morcego e treinou alguns policiais, destacando-se os três que são o atirador, o monstro e o terceiro policial, presentes nos arcos. A ideia também não é nova foi Doug Moench a usuou no Legends of Dark Knight Prey (Acossado), publicado no final dos anos 1.980 pela Editora Abril.

Alucinando, Batman tem fragmentos de visões e vê o Batmirim – um duende da 5ª dimensão, usado nos quadrinhos nos anos 1.950, mas famoso do público geral em função de uma série de TV de animação. Também tem visões (visões ou fragmentos de memória?) de sua perseguição à Joe Chill – o assassino de seus pais – que, na verdade, é uma versão diferente de uma história onde Chill confessa a criminosos que é o responsável pelo surgimento do Batman e já foi adaptada para a série de animação Batman: The brave and the bold (aqui).



Gordon, que ficou ferido com o ataque do terceiro policial Batman, consegue romper o muro de silêncio da Polícia e descobre a história toda, que se passou num período em que foi rebaixado e em seguida o esconderijo dos Batmen e facilita a fuga do homem-morcego original, que está ferido e sob estresse novamente, desmaiando numa lixeira. Na história seguinte, parcialmente recuperado, mas emocionalmente instável Bruce Wayne usa as sombras para auxiliar no resgate de Jezebel Jet, que percebe que o milionário descompromissado é o Batman.

Batman sob estresse e alvo de seus inimigos também não é uma ideia nova e original. Todo o imbróglio A queda do morcego parte deste princípio.

A história exige um pouco do leitor comum que tem que perceber sozinho que o experimento de criação dos homens-morcegos substitutos também era um experimento para saber como quebrar o original orquestrado por Dr. Simon Hurt e que este está ligado ao Luva Negra.


Apesar de arte bem ruim de Ryan Benjamin (apenas uma edição) e da tentativa explícita de Tony Daniel em emular o traço de Jim Lee, o arco faz todo o sentido quando lido no conjunto e oferece ao leitor uma visão de um longo plano de fragmentação da psique de Batman.

Excelente oportunidade para ver a habilidade de Grant Morrison como escritor.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…