Pular para o conteúdo principal

Batman: Descanse em Paz

Para curtir uma boa história em quadrinhos o leitor deve ter um pouco de cultura. Pode parecer presunção, mas os leitores devem concordar que todas as mídias são produzidas para novatos, iniciados e experientes.

Batman: Descanse em Paz (Batman: RIP, no original) é uma dessas histórias que exigem mais do leitor do que a batida fórmula de herói persegue vilão e o derrota ao final de 22 páginas. Criada com genialidade por Grant Morrison e desenhada com alguma eficiência por Tony Daniel e com finais de Sandu Florea o arco transcorreu em Batman #676-681 e foi traduzido pela Panini Comics em Batman #80-84.

Extensa, já que tem seis partes, o arco ganha várias oportunidades para exemplificar a esquizofrenia de Batman, iniciada não somente no arco atual com a administração de drogas na corrente sanguínea do homem-morcego através de cortes com lâminas envenenadas, mas no período de isolamento em que passou no projeto do exército, anos atrás. Durante este período o dr. Simon Hurt implantou a sugestão hipnótica no cérebro de Batman com a frase “Zur-En-Arrh”, que seria usada para desligar o herói num momento específico.


Drogado, Wayne/Batman alucina, enquanto Luva Negra inicia sua cartada final espalhando pela imprensa que Thomas e Martha Wayne seriam esquizofrênicos e drogados e que Bruce, na verdade, seria filho de Alfred. Tudo parte de um plano para desorientar o cruzado encapuzado que venera a imagem de seus pais ao máximo e faz de sua luta contra o crime uma maneira de honrar suas memórias.

Ao mesmo tempo, Luva Negra – que se apresenta em várias passagens como Thomas Wayne, mas também admite não sê-lo – invade a Mansão Wayne com seu “Clube Internacional de Vilões”, uma versão do “Clube Internacional de Heróis” - este último, financiado outrora com John Mayhew. O clube maligno é composto por Le Bossu (“o corcunda”), El Sombrero, Scorpiana, Pierrot Lunaire e Charlie Calígula, vilões dos heróis do Clube de Heróis.

Ao visitar a Mansão Wayne, Gordon percebe que há algo errado e é atacado por armadilhas montadas pelo Luva Negra, mas ao longo do arco Talia e Damian decidem auxiliar na derrota do vilão e de alguns de seus comparsas, resgatando assim, Gordon e Alfred, enquanto Robin convoca Asa Noturna e em seguida o Clube de Heróis, que então ruma para Gotham City atacar seus nêmesis.


Submerso por drogas e pesados jogos mentais, Bruce desliga sua identidade criando um segundo justiceiro, o “Batman de Zur-En-Arrh”, que demonstra que o herói já tinha previsão dos acontecimentos e sabia da traição de Jezebel Jet (!).

Com o espalhafatoso uniforme, baseado numa história história dos anos 1.950 e que também foi homenageada na série Batman: The brave and the bold (aqui), Bruce consegue enfrentar Luva Negra e Coringa, ser enterrado vivo, escapar do caixão e perseguir Luva Negra.

Ao final, quando a situação está sob relativo controle, o herói ferido desaparece após a explosão do helicóptero que permitiria a fuga de Luva e do “terceiro fantasma de Batman”, nas águas do mar que banha a cidade e... fim com uma interrogação de trama em aberto, já que o herói não está lá para receber os louros da vitória.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…