Pular para o conteúdo principal

Batman: Batman & Filho

Veja o gráfico na parede à sua esquerda: Zur En Arrh!
Quase nada na indústria de quadrinhos é tão bom quanto o primeiro arco de Grant Morrison em um título. Foi assim no distante setembro de 2.006 quando assumiu Batman #655 (data de capa), após o arco Batman: Cara-a-cara de James Robinson.

Morrison com Andy Kubert e Jesse Delperdang na arte inicia sua macro-história, que diga-se de passagem até hoje, agosto de 2.011, ainda não terminou, apesar de estar em um estágio diferente e sobreviver ao reboot da DC Comics: Batman Incorporated volume 2 será a 53ª série da editora, mas só retornará em 2.012.

Na trama Talia Head, filha de Ra's Al Ghul, então morto, sequestra a mulher do Primeiro Ministro inglês para chantageá-lo em troca de Gibraltar, munida de um exército de homens-morcegos criados pelo soro do Professor Langstron. De brinde Talia entrega à Bruce Wayne um suposto filho, criado da engenharia genética perfeita, ou seja, da união de Talia & Wayne, chamado de Damian, um mimado garoto criado e treinado pela Liga dos Assassinos. Morrison, que adora criar sua própria cronologia, apenas se apropria e estende uma história dos anos 1.970 onde o homem-morcego e Talia casam-se e tem uma noite de intimidades, mas certamente oportunidade não faltou na extensa cronologia dos amantes.

O ritmo da história é impressionante, e olhando em retrospectivo parece com o ritmo do primeiro arco da série Batman and Robin publicada anos depois e também escrita por Morrison. Daí eu elogiar os primeiros arcos como New X-Men, All-Star Superman, entre outros.

Ficam uma série de pontas abertas, como o destino de Damian, que desaparece com sua mãe ao final do arco, e se Talia e Ra's poderiam ser os verdadeiros vilões da fase de Morrison. Note que o sugestionamento de Morrison com a trama de Batman: Descanse em Paz já começa na página de abertura da primeira história, assim como a ideia de vários Batmen: aqui um ex-policial usa o bat-uniforme e uma pistola, ferindo e detendo o Coringa.

Publicada originalmente em Batman #655-658 e no Brasil em Batman da Panini Comics #58-61.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…