Pular para o conteúdo principal

Batman: Batman & Filho

Veja o gráfico na parede à sua esquerda: Zur En Arrh!
Quase nada na indústria de quadrinhos é tão bom quanto o primeiro arco de Grant Morrison em um título. Foi assim no distante setembro de 2.006 quando assumiu Batman #655 (data de capa), após o arco Batman: Cara-a-cara de James Robinson.

Morrison com Andy Kubert e Jesse Delperdang na arte inicia sua macro-história, que diga-se de passagem até hoje, agosto de 2.011, ainda não terminou, apesar de estar em um estágio diferente e sobreviver ao reboot da DC Comics: Batman Incorporated volume 2 será a 53ª série da editora, mas só retornará em 2.012.

Na trama Talia Head, filha de Ra's Al Ghul, então morto, sequestra a mulher do Primeiro Ministro inglês para chantageá-lo em troca de Gibraltar, munida de um exército de homens-morcegos criados pelo soro do Professor Langstron. De brinde Talia entrega à Bruce Wayne um suposto filho, criado da engenharia genética perfeita, ou seja, da união de Talia & Wayne, chamado de Damian, um mimado garoto criado e treinado pela Liga dos Assassinos. Morrison, que adora criar sua própria cronologia, apenas se apropria e estende uma história dos anos 1.970 onde o homem-morcego e Talia casam-se e tem uma noite de intimidades, mas certamente oportunidade não faltou na extensa cronologia dos amantes.

O ritmo da história é impressionante, e olhando em retrospectivo parece com o ritmo do primeiro arco da série Batman and Robin publicada anos depois e também escrita por Morrison. Daí eu elogiar os primeiros arcos como New X-Men, All-Star Superman, entre outros.

Ficam uma série de pontas abertas, como o destino de Damian, que desaparece com sua mãe ao final do arco, e se Talia e Ra's poderiam ser os verdadeiros vilões da fase de Morrison. Note que o sugestionamento de Morrison com a trama de Batman: Descanse em Paz já começa na página de abertura da primeira história, assim como a ideia de vários Batmen: aqui um ex-policial usa o bat-uniforme e uma pistola, ferindo e detendo o Coringa.

Publicada originalmente em Batman #655-658 e no Brasil em Batman da Panini Comics #58-61.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…