Pular para o conteúdo principal

Lançamento: Sociedade da Justiça #02

Nada é mais triste que ver uma equipe bem estabelecida tentar imitar os X-Men. Assim está a Sociedade da Justiça da América a primeira equipe dos quadrinhos. Nesta edição especial que publica as últimas aventuras que não foram publicadas por aqui em função da Revolu$ão Panini – lembram-se dela? - e foram reunidas em duas edições especiais, uma publicada em abril outra agora. Cometo o santo sacrilégio de escrever que seria interessante simplesmente esquecer estas aventuras e não publicá-las em terras tupiniquins. Nestas horas faz falta a edição da Editora Abril que simplesmente cortava fases inteiras dos personagens e alterava diálogos para esconder o fato.

Neste especial temos um anual que só faria sentido publicar se tivessem explicado direito quem é o Esquadrão SJA e o quê aconteceu na série da equipe e na série Magog. Não publicando isto fica parecendo apenas duas equipes mutantes se estapeando e, se já não era bom na primeira vez que lemos nos anos 1.990, imagine agora. E não precisava muito: umas duas páginas de apresentação poderia por os leitores em dia com o conteúdo.

Depois temos o arco Pátria de Bill Willingham e Jesus Merino que mostra o sucesso do Quarto Reich em derrotar a equipe e a criação de um futuro alternativo com domínio nazista. Vinte anos no futuro o Senhor Incrível cria um plano para corrigir a situação. Alguém aí leu uma história dos X-Men chamada Dias de um futuro esquecido? É a mesma coisa, porém com foco na derrota e nos acontecimentos de vinte anos à frente.

A sensação que temos durante a leitura e que se lermos rápido chegaremos ao final do arco e iremos “suportar” qualquer explicação para reverter a situação apenas por que gostamos e nos importamos com os personagens, mesmo que a editora não tenha esta preocupação.

Por R$ 17,90, a edição com quase 170 páginas torna-se a triste celebração de que somente um bom escritor pode escrever a série de uma equipe-família. Por mais lugar comum que seja a DC deveria ter cancelado Justice Society of America volume 3 depois do encerramento da fase de Geoff Johns.

Não é de espantar que a editora irá por a equipe no limbo até assentar a poeira do reboot de setembro.

-----
post scriptum: Certamente eles irão deixar a equipe de molho pela impossibilidade de numa narrativa que, supostamente deseja criar um universo mais real, seja lá o quê isso signifique, é impossível explicar como heróis que eram adultos em 1.940 ainda estejam vivos em 2.011, 71 anos depois. Lembre-se que no Universo DC pós-reboot de 2.011 os heróis surgiram “cerca” de cinco anos atrás.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!