Pular para o conteúdo principal

Batman, o bravo e o audacioso

A cada semana eu tenho uma nova surpresa com a série de animação Batman, the brave and the bold, exibida no canal por assinatura Cartoon Network. E a surpresa é sempre boa!

A série é despretensiosa ao máximo. Mostra Batman unido aos personagens da DC Comics, num tom exageradamente cartoon e pueril. Algumas tramas são resolvidas de forma tola e rápida, e os autores optaram por esquecer as possibilidades do uso de Bruce Wayne. Bruce é citado em dois episódios por 40 de até então e os conflitos que cercam o personagem só são aprofundados em um deles, onde Espectro e Vingador Fantasma apostam sobre a inclinação de Wayne sobre o destino do assassino de seus pais.

Não espere da série bobagens como respeito às leis da física. Batman viaja no tempo e entre dimensões com a mesma facilidade que atira o batarangue. Ferimentos, consequências e outras coisas ficam para outras séries.

Ainda assim a série fez boas adaptações para a morte do Besouro Azul e recentemente para o retorno do Flash (Barry Allen), num episódio com participação de Jay Garrick e Wally West, e para o sacrifício da Patrulha do Destino.

A lição de casa
Barry Allen, o segundo e mais famoso Flash, personagem símbolo da Era de Prata, morreu em Crise nas Infinitas Terras (1.985), retornando em Crise Final (2007). A explicação funciona melhor na série cartoon do que nos quadrinhos. Em síntese a história diz que ao correr em uma velocidade muito grande, Barry Allen foi capturado por uma força que alimenta todos os velocistas da DC Comics (são dezenas, acredite). Barry retornou e a DC tem em seu elenco três personagens chamados Flash: Allen, Garrick e West.

Já a Patrulha do Destino foi chantageada por inimigos, que fizeram-na escolher entre sua vida ou de uma pequena cidade. Aceitando sacrificar-se, a equipe foi alvo de uma explosão que vitimou os membros.. hum... mais ou menos.

A adaptação de JM DeMatteis para The brave and the bold é bem feita e termina num momento emocionante.

Nos quadrinhos, sem personagens fortes ao longo dos anos 1.970, 1.980 e 1.990 todos os membros da Patrulha do Destino retornam da morte, desde os altamente prováveis de sobrevivência (Homem Robô) àqueles que não deveriam em hipótese nenhuma ter sobrevivido à uma explosão, como o Chefe.

Mas continue se divertindo com Batman, o brave e o audacioso e terá boas surpresas.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…