Pular para o conteúdo principal

Fringe, final da segunda temporada

Com grandes produtores a série Fringe não consegue sair do mesmismo de séries de ficção-científica que envolvem mistério. A toda semana enfrentam o inexplicável, tem uma ou várias organizações controlando tudo isso de uma maneira especial.

A trama geral de Fringe é sobre um cientista mentalmente instável que se reaproxima de seu filho, após ele e o garoto serem recrutados para trabalharem numa divisão do FBI chamada Fringe que cuida da ciência da “borda” (alguém leu "Arquivo X"?).

Naquele momento haviam iniciado alguns ataques terroristas, orientados por um manifesto chamado ZFT e na primeira temporada há a possibilidade de um dos agentes do FBI estar vendendo informações para os terroristas e também envolvido com uma empresa de alta tecnologia chamada Massive Dinamics.

A Massive Dinamics foi fundada por William Bell, colega de Walter Bishop (o cientista louco), e atualmente Bell está desaparecido. A dirigente da Massive Dinamics sabe das experiências de Bishop e Bell no passado e tem um affair com o agente do FBI responsável pela divisão Fringe, além disso esconde informações e é, no mínimo, moralmente questionável.

Para temperar isto tudo, Bell e Bishop fizeram experiências com drogas e crianças, que modo a prepararem guerreiros para uma futura invasão interdimensional.

* * *


Ao final da segunda temporada, Peter Bishop descobre sua natureza especial: ele veio de uma Terra alternativa. Walter, seu pai, não conseguiu salvar o Peter desta realidade e foi para outra dimensão resgatando o Peter daquela, que também estava doente.

Ao descobrir isto, Peter renega Walter e foge, sendo encontrado num rocambolesco episódio (2x21, Northwest Passage) e descobrir que o líder da invasão é ninguém menos que o Walter da outra dimensão!

Peter vai para a outra dimensão, mas o FBI e sua divisão Fringe conseguem reunir pessoas com a capacidade de romper a barreira dimensional e guiados por Walter e Olivia, encontram-se com William Bell (2x22 e 23, Over there, parts I e II), conseguem resgatar Peter depois que cria-se uma dúvida honesta sobre a máquina que Walter Bishop da outra dimensão estaria construindo. Aparentemente este Walter quer destruir a outra dimensão e irá usar o corpo de Peter como fonte de energia.

O heróis retornam, mas para ter assunto para uma terceira temporada, Olivia é trocada por sua equivalente na outra dimensão.

Fica revelado que o manifesto de destruição em massa (ZFT) é obra do Walter da outra dimensão e que a tal invasão só deve acontecer em resposta ao fato que Walter invadiu a outra dimensão para resgatar o Peter de lá.

Fim de temporada.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…