Pular para o conteúdo principal

Bobagens aos montes

Li na VEJA de 09 de junho de 2010 que o episódio final da temporada de The Big Bang Theory teve audiência superior ao episódio final da série Lost (veja aqui).

Não que Lost, uma série em decadência desde a terceira temporada, com tramas cíclicas para manter aprisionados seus expectadores, seja grande coisa. Mas The Big Bang Theory é pior.

A série, criada pelos autores da prestigiada série Two and a half men, explora o dia-a-dia de quatro nerds que são cientistas – dois doutores (doutor de verdade, não médico ou advogado) e dois mestres – e a maneira como eles se relacionam com o mundo.

Ou melhor não se relacionam.

Nerds com as cinco letras maiúsculas um dos personagens mais emblemáticos da série é o Sheldon que não tem nada de divertido. Inteligente e com zero de tolerância ou habilidade social ele já perseguiu Stan Lee e expõe seu colega de quarto a humilhações constantes em função de um complexo contrato redigido quando foram morar juntos. Assexuado, seus interesses são outros e possivelmente só vê o sexo como forma de reprodução humana, mesmo que seu colega se enamore com a loura burra do prédio.

* * *

A série mostra de forma nada sutil e idiotizada o sonhos de alguns nerds: tornar-se alguém de relevância na área de conhecimento, e reter os padrões de consumo da infância/adolescência. Ou seja o sonho de que mesmo sendo médico, advogado, engenheiro, professor entre outras profissões continuaremos a ler quadrinhos, jogar vídeo-game, assistir e ser fan de séries, além de ser esquisito.

Peraí... ser esquisito?!

Será que por ter estes hábitos de sub-culturas necessitamos sermos esquisitos?

Assim a série não passa de um “Quanto mais idiota melhor” ou “Debi & Lóide” ou “Forrest Gump” com personagens inteligentes, mas tolos por não terem habilidades sociais. A falta desta os faz tão estúpidos como aqueles que criticam.

* * *

Se estabelece o início de mais um ciclo na TV estadunidense com o retorno das séries de comédias de situações (sitcom em inglês) para o top das grades. A última sitcom de grande aceitação foi “Friends” e seu fim marca o início de um ciclo de produções de qualidade como, por exemplo, The Sopranos, Battlestar Galactica, Dexter, Lost, Lost in Mars (TV inglesa), 24 Horas.

Com a exploração dos conceitos até a última gota de originalidade séries como Lost e 24 Horas se esgotaram ainda no ar e Dexter, apesar de exibido no Showtime e com apenas 12 episódios por temporada, poderá passar pelo mesmo caminho. Quem não acredita que uma série pode se esgotar por exposição lembre-se de “Arquivos X” e compare as temporadas 1 a 5 com o restante da série.

O retorno da ascensão desde tipo de sitcom's veio com o início de Two and a half men que conta a história de um homem fracassado no casamento e seu filho obeso e flatulento que passa a morar – eles se impõe – com o alcoólatra, misógino, sexólatra e irresponsável irmão que mora em uma casa de praia em Malibu. Antes de The Big Bang Theory a série Two and a half men era considerada a mais bem sucedida da TV e Charlie Sheen, ator que usa a própria personalidade para criar sua versão televisiva recebia por episódio na sétima temporada US $ 850 mil dólares, e teve extensa negociação para assinar o contrato de renovação – valor ainda não divulgado.

August T. Jones o menino flatulento, agora um adolescente com 16 anos, é simplesmente o ator menor de idade mais bem pago da TV, recebendo US $ 250 mil dólares por episódio (uma temporada tem em média 22 episódios).

* * *

The Big Bang Theory é o jeito dos escritores exacerbarem a sua nerdice e fazerem rir com isso. Mas não deixa de ser um olhar preconceituoso do uso da inteligência e uma comprovação ficcional de que “só é feliz quem é estúpido”. Afinal entre ser um dos vários namorados trogloditas de Penny, sarrados e burros, mas com belas mulheres e carros, e ser um dos esquisitos PhD's em áreas do conhecimento que jamais permitiram uma conversa normal com ninguém, um garoto comum escolheria o quê?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…