Pular para o conteúdo principal

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogênio na ilha durante da década de 1.950 houve a ascensão de Charles Widmore ao comando deste núcleo de pessoas.

Ricardo agia como conselheiro para o grupo, tornando-se um elo entre eles e Jacob. Eles não viam diretamente Jacob. Ricardo transferia suas ordens, mas dava liberdade à liderança.

30 anos atrás Ricardo fez contato com o garoto Ben Linus, que triste com a indiferença e maus tratos do pai, solta um gás venenoso que elimina agentes da Dharma Iniciative, que investigavam as propriedades magnéticas da ilha. A Dharma também tinha experimentos de tecnologia genética.

Os pesquisadores morrem, mas alguém mantém operacional parte dos equipamentos. Supõe-se que seja Widmore, expulso da ilha por Linus, que se tornou líder. Mas pode ser o grupo de Ben Linus, mesmo.

Linus por sua vez nunca teve um contato real com Jacob. Ainda assim impediu que Ricardo o tivesse durante anos, manipulando-o sutilmente.

Widmore tem planos de retornar à ilha. E talvez através de uma longa cadeia de influências tenha criado uma situação para instalar um namorado da filha na ilha. Este namorado torna-se operador de um terminal que impede que o acúmulo da energia eletromagnética destroce a ilha.

Jacob sempre quis um substituto.

Para tanto atraia pessoas para a ilha.

Assim, é responsável pela queda do avião. Não se sabe como, mas dado aos seus poderes místicos é fácil supor, ele influenciou uma pessoa que digitava o código no teclado de modo a impedir a liberação da energia eletromagnética.

O namorado da filha de Widmore, preso na ilha, recusou-se a digitar uma famosa seqüência numérica e a energia foi liberada.

Foi a liberação desta energia que derrubou o avião no início da série.

Meses depois o equipamento foi destruído e houve uma segunda liberação de energia. Nunca mais se tocou diretamente no assunto do que está havendo com a energia acumulada, mas, como a ilha esteve fisicamente viajando no tempo é de se supor que esta energia esteja esgotada. Pelo menos temporariamente.

Um dos sobreviventes da queda do avião seria o substituto de Jacob.

Qual?

Aquele que sobreviver e estive mais capacitado. Isto bate com uma das primeiríssimas impressões sobre a série. Se suponha, erroneamente, que a ilha seria o local de um torneio e que as pessoas foram selecionadas para ir para lá – este questão da seleção se confirma e reconfirma durante a série. Neste raciocínio tudo seria um grande jogo e os mortos ou eram baixas de guerra ou apenas pessoas que saiam de um poderoso reality show.

Vindo do mundo externo, Linus tem um câncer e sabe das habilidades médicas de um dos sobreviventes.

Ele cria uma série de situações que obrigam o médico a operá-lo, enquanto mantêm uma briga de egos de liderança com alguém que aparentemente tem a vocação natural de líder e que pode ouvir Jacob.

Em determinado momento se insinua até que Linus manteria Jacob prisioneiro, o quê também não se confirmou.


Locke, um líder legítimo e um substituto manipulável para Jacob, em função de sua crença no inexplicável.

Após capturar parte das pessoas e fazer um perigoso e inconseqüente jogo de gato e rato com os sobreviventes, Ben oferece a oportunidade de sair da ilha a alguns deles. Já que depois da destruição da Dharma eles se apossaram das instalações e tinham empresas externas que financiavam suas ações.

Não é explicado a que nível, mas sabe-se que Ben recrutou uma médica externa (que visitou uma das instalações da empresa antes de partir) e que ele tinha contato com o mundo externo constante.

Membros deste núcleo de pessoas chegavam a ter vida distinta no mundo externo.

Misteriosamente mulheres que habitavam a ilha não conseguiam chegar ao final da gravidez, trama há muito esquecida, mas que era amparada pela relação da fumaça com a nano-tecnologia. Em síntese se a fumaça era uma junção de vários pequenos robôs (uma grande simplificação do que é a nano-tecnologia, mas em essência é isso), estes pequenos robôs entravam na circulação e curavam as pernas (de Locke), o câncer (de Rose) e infelizmente impediam as gestações.

Este mesmo conceito embasava o fato dos mortos aparecerem. Ou os robôs nano-tecnológicos habitavam os corpos entrando por poros, boca, ouvidos e narinas ou simplesmente recriavam os corpos.

Apesar das liberdades da séries e das simplificações do artigo, a miniaturização de robôs e o uso de nano-tecnologias, inclusive em correntes sanguíneas, é uma verdade.

Assim, o desejo de sair da ilha era real e se materializa numa expedição que supostamente vem resgatá-los.

Inicialmente somos levados a crer que seria a expedição da filha de Widmore para resgatar seu namorado, por que ela esteve monitorando as emissões de energia eletromagnéticas e quando houve a segunda emissão descobriu-se a posição da ilha. Um detalhe importante é que ela sabia o quê procurar.

Como?

Suponho que ela espionou o pai e sabia que ele havia enviado o namorado para a ilha. Suponha que ela conhecia a função que o namorado exercia ao digitar o código no teclado a cada 108 minutos. Isto são suposições minhas. Não se sabe realmente como Penélope esperava que uma emissão de energia eletromagnética poderia indicar a posição de Desmond.

Esta expedição só serve para alinhar as tramas e eliminar possibilidades que os autores erraram. Introduz também mais alguns personagens que serão fundamentais para sustentar a história a partir dali.

Isto já era recorrente na série. Os sobreviventes foram muitos, mas a trama se concentrou em 15 a 20. Com a morte de alguns deles outros ganharam espaço, mas geralmente morriam enquanto o núcleo central de personagens permanecia inalterado.

No resumo da ópera a expedição é financiada por Widmore que deseja voltar à ilha e vingar-se de Linus. Enviou uma equipe de pesquisa e uma equipe militar num primeiro momento. Para deixar a coisa mais tensa o líder da missão militar mata a filha adotiva de Ben, Alex.

A expedição é destruída pela criatura de fumaça que foi liberada intencionalmente por Linus.

Seis pessoas saem da ilha e são convencidas a dizerem que são os únicos sobreviventes do vôo.

Ben se sacrificando consegue mudar a ilha de lugar, girando um aparato místico/tecnológico. O tal sacrifício seria por que após girar o aparato Ben não poderia voltar à ilha.

Entende-se que o “voltar à ilha” é no sentido de localizar a ilha para voltar e não uma proibição real para voltar. Tanto que Linus conseguiu localizar e voltar.


Três anos depois, atormentados por suas decisões e por terem deixados os amigos para trás e também, influenciados por Linus e Locke, os “Oceanic Six” retornam à ilha para resgatar os amigos.

Porém a ilha estava flutuando no tempo e se gasta alguns episódios para estabelecer uma maneira correta de voltar à ilha, tudo claro, pseudo-ciência.

Terá que ser novamente uma queda de avião.

Os sobreviventes embarcam e uma tempestade eletromagnética os leva à ilha. Mas alguns deles vão para o passado, onde se aliam a amigos já estabelecidos dentro da comunidade da Dharma Iniciative.

Lá, encontram Ben Linus ainda criança, e culpando-o por desgraças passadas (o futuro para o menino) tentam matá-lo.

Não funciona, mas o garoto se aproxima do núcleo de habitantes e isto atrai a atenção de várias pessoas para os recém chegados. A farsa aos poucos cai.

Após uma série de eventos e, influenciado por um físico que veio na expedição de Widmore, eles decidem explodir a bomba de hidrogênio enterrada anos antes, de modo a destruir a ilha e assim, no futuro, impedir a queda do avião.

Ao longo da temporada a trama vai se aproximando de seu ápice e termina com a explosão da bomba.


No presente, outros sobreviventes se encontram e paralisam a flutuação do tempo da ilha, reúnem-se ao núcleo de habitantes, questionam a liderança de Linus (que também retorna à ilha) e se deparam com um Locke ressurgido dos mortos!

Locke havia sido morto à traição por Linus, uma vingança nua e crua pelas tentativas do homem de substituí-lo na liderança.

Locke convence Linus a matar Jacob, coisa que o ex-líder faz por vingança e ressentimento por ter sido preterido.

Na ilha, tudo agora se resume a Locke eliminar os protegidos de Jacob e partir para a civilização.

Mas...

A explosão no passado criou uma realidade onde as coisas aconteceram de modo diferente.

Destruída desde o fim dos anos 1970 e ilha, Widmore e o núcleo de habitantes não influenciou uma série de pessoas e eventos aconteceram de forma diferente.

Há então uma realidade alternativa ou paralela, onde nunca houve a ilha (pelo menos entre o fim dos anos setenta e agora) e que o avião que partiu de Sidney pousou em Los Angeles.

Nesta realidade os destinos divergiram radicalmente. Os episódios 6x01 a 6x08 mostraram versões dos sobreviventes nesta realidade alternativa.

Ao mesmo tempo a ilha continua a existir na realidade original e lá, Locke, na verdade, a fumaça escura ou o ser que Jacob impede que saia da ilha consolida-se no poder, mata os últimos fiéis à Jacob e faz pactos com todos que podem lhe assegurar a possibilidade de sair da ilha.

Um deles é um trapaceiro profissional, Sawyer cujo nome real é James Ford, que Locke/fumaça envia para saber as intenções de Widmore, pois este retornou finalmente ao local que tanto desejava.

Apesar de tudo levar a crer que Widmore deveria querer vingança contra Ben e, por extensão, à Jacob, ele se apresenta como inimigo natural de Locke. Informações soltas na série levam a quer que ele conhecia os planos de Jacob e que tinha muito intimidade com os mecanismos de funcionamento da ilha.

Sawyer espera ser possível que ele e os sobreviventes, aos quais de afeiçoou durante estes três anos e meio de convivência, fujam enquanto houver a luta entre Widmore e Locke.

O cenário está montado para isso.

O episódio 6x09 é um interlúdio que mostra a chegada de Ricardo na ilha em 1.867.


Conclusão
Isto não responde tudo.

Por exemplo, não explica os sacos de mantimento que eram jogados na ilha durante a primeira temporada. Mas criam uma série de possibilidades para explicar. Se realmente Widmore enviou intencionalmente Desmond para a ilha ele teria que alimentá-lo. Se ele conhecia os planos de Jacob para selecionar um substituto, poderia então criar circunstâncias para que o programa de seleção continuasse, em especial permitindo que as pessoas se alimentassem.

Os ursos polares numa ilha tropical seriam manipulações genéticas. Assim como a assumida brincadeira da produção com os golfinhos com logo da Dharma.

Certamente não explica o tratamento dado a um menino nas primeiras temporadas. Mas deixa espaço para conjecturas e também a equipe já assumiu que nem tudo entre a segunda metade da segunda temporada e a primeira metade da terceira será explicado.

Eram tiros no escuro. Alguns atingiram o alvo, outros não.

Ben, personagem fundamental da série entrou por engano e a repercussão positiva dele fez a série crescer e ganhar um vilão tangível, quando não o tinha. “Os outros”, como eram chamados, eram os vilões.

Muito se alterou, mas temos certeza que os outros apenas foram manipulados por várias pessoas e em vários níveis.

Veremos no que vai dar.






Veja aqui a resenha rápida dos episódios

6x01-02 – aqui.
6x03 – aqui.
6x04 – aqui.
6x05 – aqui.
6x06 – aqui.
6x07 – aqui.
6x08 – aqui.
6x09 – aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…