Pular para o conteúdo principal

Brainiac, o arco

Repaginar os personagens é a moda do momento nos quadrinhos e é coisa antiga. Desde 1971, com o arco “A criatura de areia” (The Sandman Saga) Superman é atualizado constantemente, geralmente de 4 em 4 anos ou de 8 em 8.

Puristas então retornariam a 1.955 quando iniciou a Era de Prata que repaginou personagens da Era de Ouro.

Ao meu ver não há mal algum em pegar um personagem pré-existente e lhe acentuar suas características, reforçando coisas que ninguém realmente observava.

Desde 1.987, ano que relançou seu universo, a DC Comics tem repaginado seus personagens constantemente.

Mas não se iluda, a Marvel Comics e mesmo a Image Comics fazem o mesmo! O Universo Marvel Ultimate (Marvel Millenium, no Brasil), as mudanças no Homem-Aranha e no Spawn estão aí para provar.

A DC tem três grandes realinhamentos que são Crise nas Infinitas Terras, Zero Hora e Crise Infinita, mas vários personagens são constantemente revistos, repaginados e relançados, hora sob uma ótica de super-heróis, hora sob uma ótica adulta, hora sob uma ótica de ressaltar suas características originais. A equipe Patrulha do Destino e o pistoleiro Jonah Hex são dois excelentes exemplos.

Então após Crise Infinita (2006), Geoff Johns iniciou sua carreira em Superman e quando estava estabelecido, depois da passagem de seu ex-patrão Richard Donner pela série (em dois arcos, aos quais Johns co-roteirizou) disse o seguinte: todos os Brainiac – vilão clássico do Superman, presente na série de TV Smallville – que já apareceram na Terra são, na verdade, versões ou modelos enviados pelo verdadeiro que jamais veio realmente à Terra.

E ele está vindo agora!

Em flashback há a narrativa de como Brainiac seqüestrou a cidade de Kandor, engarrafando-a e minituarizando-a.

Enviando um de seus avatares à Terra Brainiac descobre a presença de um kryptoniano e vem ao planeta, tencionando seqüestrar Metropolis.

É Supergirl que fornece informações fundamentais para o herói e o auxilia a enfrentar a ameaça.

Lindamente ilustrado por Gary Frank (lápis) e Jon Sibal (finais), e usando como inspiração principalmente as faces de Christopher Reever e Margot Kidder – Clark e Lois da cine-série original – o arco durou de Action Comics #866 a 870 e foi recentemente publicado no Brasil pela Panini em Superman #80-81 (jul e ago/2009).

O timing da história e a ação são perfeitos e o final é emocionante. Superman derrota Brainiac, resgata Metropolis e... Kandor! Metropolis volta ao seu local de origem e Kandor é restaurada ao seu tamanho normal ao lado da Fortaleza da Solidão.

De modo a estabelecer alguma balança cósmica e aproximar a série em quadrinhos das séries de TV (Smallville) e cinema, Jonathan Kent tem um ataque cardíaco e falece. A seqüência é emocionante e foi uma das primeiras mortes desnecessárias que realmente tem um contexto.

Não havia necessidade de Jonathan morrer, é verdade! Foi apenas para repaginar o Superman, aproximá-lo de suas raízes, já que originalmente o herói só começa a agir depois da morte dos pais, e ao mesmo tempo para produzir o quê nos quadrinhos se chama de “hype” – sensação, furor, atenção na mídia.

Com a morte recente, Superman ainda está em luto imaginando que poderia ter salvo seu pai se Brainiac não lhe exigisse tanta atenção e esforço. Isto pode afetar seu julgamento em relação aos resgatados da cidade de Kandor...

Se você tem preconceitos contra o Superman e a existência de kryptonianos aqui, seria um bom momento para acompanhar a série. Johns e Frank são dois super-stars e estão sempre associados aos melhores quadrinhos dos anos 2000.

Boa diversão!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…