Pular para o conteúdo principal

Jonah Hex um bom quadrinho de western que faz falta

Jonah Hex é um pistoleiro deformado da DC Comics, e suas séries normalmente tratam de um contrato de recompensa. O pistoleiro tem que encontrar alguém, seja um vilão ou uma pessoa desaparecida, descobrindo, não raro, sujeiras sobre o próprio contratante.

Suas séries dos anos 1970/80 foram publicadas no Brasil pela EBAL em Os Reis do Faroeste, aproveitando a inclinação nacional para o tema. Por sinal Os Reis do Faroeste e Superman em formatinho em Cores foram as últimas séries da editora, tendo a primeira alcançado o ano de 1.984.

A Editora Abril publicou histórias do pistoleiro em Heróis em Ação, mas assim como com quase todos os outros personagens, rendeu-se a republicações.

O personagem foi transferido para Superman a tempo da série a la Mad MaxHex”. Michael Fleicher e Mark Texeira transferem o pistoleiro para um futuro apocalíptico. A sobrevida a série foi menor no Brasil que nos EUA. Por aqui não chegou à meia dúzia de histórias certamente em função da publicação de Crise nas Infinitas Terras.

Apesar de má afamada os eventos da série “Hex” são válidos para a cronologia e confirmados em “A História do Universo DC” (recém publicado pela Panini). Após o final da série Jonah Hex retorna ao passado.

Na década de 1990 infelizmente recebe algumas ridículas séries de terror escatológico pelo selo Vertigo. Apesar da boa arte de Timothy Truman (Hawkworld, Star Wars, Conan) a série não vale as páginas em que foram impressas. Se a curiosidade apertar procurar no almanaque Vertigo da Editora Abril e num encadernado da Opera Graphica.

A Nova Sampa republicou algumas histórias da fase “western” em uma série p&b chamada “Hex” no final da década passada, e anos depois a Opera Graphica usuou a mesma tradução especial em um encadernado que lançou quando a editora estava encerrando as atividades.

Recentemente o personagem apareceu em um episódio da série de TV “The Brave and The Bold” e está sendo produzido um filme a ser lançado em 2.010. Talvez seja uma oportunidade para a Panini lançar alguns encadernados da atual série do personagem, já com 48 números publicados e arte de feras como Luke Ross, Jordi Bernet, Russ Heath, JH Williams III e Paul Gulacy entre outros, quase sempre com o roteiro de Justin Gray e Jimmy Palmiotti (um dos fundadores do selo Marvel Knights).

Fica a dica.

Aqui no blog ele já apareceu em um encontro Liga da Justiça/Sociedade da Justiça, provando que apesar de ser pistoleiro viagem no tempo é com ele mesmo!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…