Pular para o conteúdo principal

Novo Krypton Especial #01

Quem lê quadrinhos desde os anos 1990 certamente se recorda que as editoras americanas sempre tiveram políticas de especiais de atualização para relançar o personagem ou iniciar um arco ou saga.

Na DC Comics são tradicionais os especiais “Secret Files & Origins [ano]” que geralmente fazem o resumo da história de um personagem e mostram pequenas histórias com os principais coadjuvantes do arco a seguir, além de fichas de personagens.

É assim que funciona em parte a edição “Superman: New Krypton Special 1” de dezembro de 2.008, publicada por aqui em Superman #83 (out/2009) da Panini Comics. Feito a seis mãos no roteiro por Geoff Johns, James Robinson e Sterling Gates, apesar de não recontar a origem do Superman tem a ingrata função de mostrar o funeral de Jonathan Kent e delinear o início do novo período para o personagem.

Primeiro mostra que Superman deseja vingança contra Brainiac. Depois, mostra que o Exército americano teme a existência de 100 mil kryptonianos, baseados na reconstituída ao tamanho normal, cidade de Kandor – temporariamente ao lado da Fortaleza da Solidão, deixando claro que a localização da morada do Superman é pública.

Numa trama, à cargo de James Robinson temos o General Sam Lane, o novo personagem Codinome Assassino, e a colaboração de Lex Luthor na tentativa de obter informações do aprisionado Brainiac e de maneiras para derrotar os kryptonianos. Nota-se claramente de Lane odeia Luthor (numa das edições seguintes ele chega a atirar no ombro do cientista).

Ao visitar Kandor Kal-El encontra-se com os tios Zor e Alura, pais da Supergirl (o quê derruba toda a cronologia da atual Supergirl até o momento) e faz o encontro entre a prima e os tios.

Diálogos estabelecem uma tensão entre Lois e sua irmã e a responsabilidade do Superman na morte do pai de ambas, mostram que os kryptonianos não sabem usar suas habilidades e que a sociedade deles é divididas em castas – algumas representando fases específicas do Superman como a Era de Prata e a revisão distópica de John Byrne.

Martha Kent se sente sozinha e tenta fazer com que Clark não se culpe pela morte do pai e Jimmy comenta informações sobre sua pesquisa sobre o Codinome Assassino.

O lápis é de Pete Woods, Gary Frank e Renato Guedes e os finais de Woods, Jon Sibal e Wilson Magalhães.

Resta apenas uma única explicação. O General Sam Lane, pai de Lois e Lucy, sempre demonstrou que se sentia decepcionado por não ter filhos. Histórias deixam claro que Lois esteve em acampamentos militares e durante algum tempo foi doutrinada para ser o filho que ele não teve.

Com a escolha da carreira e depois o casamento com alguém que Sam julga fraco – um casamento, por sinal, sem filhos, ou seja sem herdeiros militares – Lois se afastou ainda mais do pai.

Lucy se casou com Ron Troupe, jornalista negro e politicamente ativo do Planeta Diário. Facilmente pode-se inserir diálogos em retro-continuidade que iriam ressaltar o desagrado do pai com um genro negro e uma filha que já casou-se grávida. Inclusive a gravidez não planejada coincide com um período em que o Planeta Diário foi fechado e Ron teve problemas financeiros.

Após algumas tramas na fase inicial de Superman, The Man of Steel, Sam Lane voltaria a ter relevância quando Lex Luthor se tornou presidente dos EUA.

Luthor, na época, tinha o conhecimento da identidade secreta do Superman e durante a mega-ultra-hiper-super-bobag... digo saga de verão “Mundos em Guerra” colocou o general em uma posição estratégica de modo a protegê-lo fisicamente.

Acreditava assim, que o Superman não deixaria o sogro morrer e por extensão ele próprio!

Mas, durante uma batalha a Mulher Maravilha esteve em uma posição de risco e optando, o homem de aço escolheu a amiga.

Lois e Clark superaram os traumas da morte e a super-sogra teve até uma trama em que admitia ser adúltera, de modo a dar espaço para Lois admitir que estava adulterando Clark Kent com o Superman, a quem ela viu a filha beijando.

Resolvidas esta pendengas, durante histórias ligadas à Crise Infinita, Sam Lane apareceu em uma história de fantasmas – o universo de magia da DC estava sendo re-estruturado – mas ao terminar a histórias os fantasmas desapareceram e ele continuou, deixando claro que o general não era um fantasma!

Não se tocou no assunto até o momento e o personagem retornou no arco “A chegada de Atlas” e neste especial.

No geral é uma bela edição de início de tramas, deixando claro que tudo que o leitor precisa saber ele saberá no devido tempo e que há muitas surpresas por aí.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…