Pular para o conteúdo principal

Terra-22, a Terra da série “O reino do Amanhã”

Histórico:
Neste universo o Superman se afasta do público depois da morte dos colegas do Planeta Diário e de uma explosão atômica no Kansas. Cansado, perde a fé na humanidade.

Isso dá espaço para o surgimento de personagens extremamente violentos, uma citação clara à própria indústria de quadrinhos, que naquele momento estava abandonando os personagens tradicionais em prol de várias companhias recém criadas.

Convencido pela Mulher Maravilha, Superman volta à ação junto com um misto de Liga da Justiça/Sociedade da Justiça, enquanto alguns personagens da nova geração se unem ao Batman e outros à Magog – personagem violento que matou o Coringa publicamente e foi ovacionado pela multidão e perdoado no julgamento, foi ele o responsável pela explosão no Kansas, é uma citação direta ao personagem Cable (de Louise Simonson & Rob Liefeld) da Marvel Comics, o precursor de toda uma nova onda de personagens truculentos.

Há um conflito entre as gerações, ao mesmo tempo em que o Espectro, o espírito da vingança de Deus, pede orientações à um reverendo, Norman McCay, sobre como deve julgar a humanidade, ao citação diversas vezes claríssima ao Livro das Revelações da Bíblia.

Além da série clássica em quatro edições, publicada no Brasil pela Editora Abril, retornou em um encadernado com páginas inéditas pela Panini Comics. Há, nos EUA, uma versão romanceada escrita por Elliot S! Maggin, escritor famoso por ter trabalhado com Superman e Arqueiro Verde nos anos 1970.

Com o sucesso, Waid foi contratado pela DC Comics para dar seqüência no evento “O reino” (The Kingdom), pedra fundamental do conceito/saga chamada Hipertempo (Hypertime). “O reino” teve duas edições chamadas The Kingdom #1 e #2 e uma série de especiais com os personagens criados em “O reino do amanhã”.

Ross que não foi sequer consultado para desenvolver personagens, que, segundo ele, foi o único responsável pela criação – como o filho do Batman e a filha de Dick Grayson/Koriander – sempre falou mal da continuação. Isso o levou a desenvolver parcerias onde tinha mais peso no roteiro, especialmente com Jim Kruger, com quem fez as maxi-séries Terra X, Universo X, Paraíso X, Vingadores/Invasores (para a Marvel Comics) e Justiça (para a DC).

Com o reinício da série Justice Society of America, Geoff Johns deu espaço para a viagem do Superman da Terra-22 para a Nova Terra, e narrou os eventos num arco também também chamado “O reino do amanhã”, que se desdobra no arco “Um mundo sob Gog”. Em ambos os arcos Johns teve o co-roteiro e conceitos de arte de Alex Ross.

Sabe-se que no futuro da Terra-22, no século XXXI haverá uma Legião dos Super-Heróis.

Poucos citam que uma das fontes de inspiração de Mark Waid foi o esboço detalhado de Alan Moore chamado “The Twilight of Super-Heroes” – “O crepúsculo dos super-heróis”. É possível encontrá-lo em uma pesquisa na Internet. Foi para DC Comics o trabalho não foi à frente e após as desavenças criadas pelos direitos de “Watchmen” o autor não trabalhou diretamente para a empresa.

Em Absolute Crisis on Infinite Earths (2006), uma edição absolute para a série cheia de especiais foi revelada que esta dimensão tinha a designação de Terra-96, por que foi criada em 1.996.

Primeira aparição
: O reino do amanhã #01 de Mark Waid & Alex Ross.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…