Pular para o conteúdo principal

A Panini é especial...

Antes de mais nada, gostaria de deixar bem claro que acredito que a editora Panini Comics é a melhor editora-tradutora que já trabalhou no Brasil, superior a quaisquer outra.

Dito isso não posso deixar de comentar os enganos que a equipe faz. A bola da vez está na publicação de “Legião de 3 Mundos” de Geoff Johns & George Pérez em Superman & Batman e não, como foi anunciado originalmente, em Crise Final Especial.

Claro que tudo pode ter sido um engano grosseiro, mas parte da irritação vem do fato que a publicação da série neste formato prejudica a arte, já que o papel pisa-brite, usado em edições normais, é fosco demais.

Alguns leitores questionaram que não comprariam a série Superman & Batman para ler apenas uma história. Parabéns para eles! Os R$ 7,90 são ínfimos diante de comprar importado. Ameaçam com o uso de scan, que está cada vez mais comum (inclusive o sistema operacional Ubuntu 9.04 já vem com leitor de scan embutido no default do sistema).

Existem opções para todos os gostos. Quem quiser ler no computador é facílimo encontrar os sítios de scans que existem por aí.

Alguns leitores indicam que a revista “Superman & Batman” está fraca e por isso recebe reforços. Concordo!

Não escondo que acho a série a pior da Panini/DC, mas daí a não comprar a série da Legião apenas por que acho caro o custo benefício está longe. Já disse que “Legião dos 3 Mundos” é a melhor coisa que “Crise Final” produziu.

Voltando ao velho problema das assinaturas tive uma grata surpresa. A Panini devolveu o saldo do cartão utilizado em sete dias após o contato e ainda enviou as edições que estavam faltando. Com o final antecipado de “Prelúdio para a Crise Final” a série “Crise Final” entrou no pacote.
Recebi o número 1 e aguardei o seguinte, apesar de vê-lo chegar às bancas. Semana passada o sistema de atendimento estava um caos, tanto que esta semana eles temporariamente mudaram o número de atendimento. Não consegui entender o atraso do segundo número e então recebi “Trindade” e somente entrando em contato com a Central de Atendimento é que descobri que a série substituiu a substituta.

A ligação poderia ter sido economizada com uma carta ao assinante.

Coisas de uma Central de Atendimento ao Assinante/Departamento de Assinaturas que não deve ter experiência com o público.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…