Pular para o conteúdo principal

A Panini me ama!

Semanas atrás recebi um telefonema da Panini Assinatura questionando se não gostaria de volta a assinar o pacote DC Comics? – na verdade nunca havia assinado, apenas preenchido o formulário, mas desisti quando gerou a boleta e fiz as contas.
Eles prometeram cobrar no cartão de crédito e entregar em no máximo quatro semanas. Quando recebi a primeira edição (Superman # 80) já havia passado seis semanas e já havia sido debitada a segunda parcela em meu cartão. Tudo bem!
Depois de algumas semanas descobri que Crise Final iria substituir uma série de 100 páginas. Tudo bem, ainda que ninguém explique o quê irá substituir Crise Final que deve durar sete números como nos EUA. Por sinal por que não me enviaram também o Prelúdio para Crise Final?
Depois comecei a notar que “parecia” que faltava uma série. Liguei para o serviço de atendimento que não é 0800 (!) e não tinham histórico de envio de mais nenhuma edição no mês. Depois descobri que era “Novos Titãs”. Liguei reclamando e eles ficaram de enviar na semana seguinte depois de me tomar uns oito minutos na ligação, o quê seria por si só quase suficiente para comprar a edição em bancas!
Mas, assim que paguei a boleta de meu cartão (27/07), não foi que a Panini lembrou do pacote que eu não assinei dois anos antes e debitou no cartão? Pior! O débito indevido impede que o débito correto ocorra, por que havia deixado limite suficiente apenas para a parcela.
Ligando para a Central de Atendimento (nova ligação em que pago o custo) a atendente se limitou a dizer que os procedimentos foram tomados e que a devolução será feita no cartão num prazo médio de 45 dias! Expliquei então que o débito indevido impossibilitaria o débito correto e ela se limitou a dizer que lamenta o ocorrido e que a empresa continuará a enviar para a administradora de cartão de crédito a informação de débito e quando houver limite disponível será feito o débito. Ninguém entendeu realmente que a editora abusou de uma autorização e usou para outro fim e que poderia ter feito isso com um material mais caro. Imagine que ela tivesse produtos de R$ 600,00 ou R$ 1.000,00! Bloquearia meu cartão um mês inteiro com algo que não autorizei, não comprei, não quero e estou quase repensando a outra assinatura a que realmente fiz.
Resumo: Já paguei duas parcelas de R$ 89,90 e uma de R$ 51,00, que totalizam R$ 230,80 e recebi até agora apenas seis revistas, além de gastar em três ligações interurbanas para São Paulo.
O departamento de assinaturas deveria contratar alguém com know-how para tratar destes assuntos. O sistema da Abril Assinaturas tem falhas mas funciona e minha VEJA chega impreterivelmente na segunda à noite e ainda possui um sistema 0800 para reclamações!
Alguém quer partilhar suas experiências com a Panini Assinaturas?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…