Pular para o conteúdo principal

Just a dream: Wolverine

Anos atrás quando a Editora Abril publicou a série The Savage Dragon no Brasil, o criador da série Erik Larsen explicou que criou um concurso onde os leitores ofereciam um design e uma história básica para um personagem novo e o prêmio que caberia ao vencedor era aparecer na revista. Algo como The Savage Dragon versus [adjetivo] [nome do vencedor].

Larsen disse ao fim do concurso, que ficou preocupado pois inconscientemente poderia reter mais detalhes que o necessário e se apropriar inadequadamente de alguns daqueles personagens que ele teve contato. Ele diz que alguns deles realmente tinham plots semelhantes a ideias que ele já tinha concebido para serem utilizadas no futuro.

Há dezenas de casos na indústria de quadrinhos de personagens semelhantes. Não são os X-Men muito semelhantes à Patrulha do Destino – aberrações e um professor em uma cadeira de rodas? Não é o Quarteto Fantástico semelhante aos Desafiadores do Desconhecido? Thanos não se parece fisicamente com Darkseid? Ambos não tem motivações semelhantes? Isso sem contar as inspirações explícitas como Cavaleiro da Lua, Esquadrão Supremo e Sentinela (Sentry) – revisando o parágrafo fiquei com a impressão que só a Casa das Ideias copia (e melhora, em alguns casos) a Divina Concorrente, mas no momento continuo a não lembrar inspirações em caminho inverso.

O detalhe que a matéria “The case of Marvel's First Wolverine: a look at the mysterious creation of Marvel's most popular mutant!” de John Cimino em Back Issue #76 (outubro/2014) traz à tona é que houve um outro “Wolverine” na empresa, resultado de um concurso na FOOM Magazine para criar um personagem no estilo Marvel. O ganhador foi o personagem Humus Sapiens de Michael A. Barreiro que realmente apareceu em uma revista Marvel – Thunderbolts #55 de 2001, 28 anos depois do concurso!

Um dos concorrentes foi Andy Olsen que apresentou o seu “The Wolverine” na FOOM #02 (verão, 1973) que é descrito por Cimino da seguinte maneira “O personagem parece ser resultado de algum estranho experimento de alta tecnologia, tem uma estrutura de ossos de metal sob a pele, e, mais interessante, tem um fator de cura”.

Roy Thomas, famoso escritor e editor, atualmente responsável pela revista Alter Ego publicada pela TwoMorrows que também publica Back Issue, foi o responsável pela criação do Wolverine que nós conhecemos. Sua preocupação, diz no artigo, era ampliar as vendas das revistas Marvel no Canadá. Decidiu criar um personagem canadense e fez questão que o escritor que assumisse a empreitada ressaltasse isto na história. Foi Thomas que decidiu qual animal seria a inspiração do personagem e que este deveria ser “baixinho”.

Quem aceitou o trabalho foi Len Wein (texto) e Herb Trimpe (arte), este último baseando-se em um design de John Romita Sr. Wolverine surgiu no último quadro de The Incridible Hulk #180, sendo a edição seguinte de novembro de 1.974 a sua primeira aparição completa. Thomas admite que viu todos os números publicados de FOOM e que pode ter sido influenciado subconscientemente (ele não faz ênfase do PODE, mas eu faço). Wein diz que não, não se recorda de ter visto o Wolverine da FOOM e que por isto não foi influenciado em sua criação.

Mas não é esta a impressão que Andy Olsen passa. Hoje com 57 anos e designer gráfico, dá a entender em seu depoimento a Cimino que o personagem famoso tem como ponto de partida o personagem que ele criou para o concurso. Ele diz que quando enviou a arte para a FOOM seu tio, um artista estabelecido, o criticou informando que as empresas roubavam ideias e não pagavam nada aos fãs que haviam colaborado. Olsen acrescenta que se afastou dos quadrinhos, mas anos depois quando na faculdade passou em um stand de quadrinhos e viu Wolverine nos X-Men. Comenta então, com notada amargura “Ele está nos X-Men! (…) Aquilo me chocou (…) meu tio estava certo”.

Curiosamente a edição #2 da FOOM Magazine é constantemente oferecida como uma visualização do “primeiro protótipo do Wolverine” no mercado de edições antigas e vale cerca de US$ 400,00!

Alguém tem uma cópia aí?
---
Este post é inspirado na matéria “The case of Marvel's First Wolverine: a look at the mysterious creation of Marvel's most popular mutant!” de John Cimino em Back Issue #76 (outubro/2014). A revista está a venda em formato on-line e print edition no site da TwoMorrows.
E eu não entendo por que há um certo interesse em ligar Gládio (Steel) ao Capitão América e tão pouco em ligá-lo à Wolverine. Ligue os pontos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…