Pular para o conteúdo principal

Star Wars: Legends #01


Depois da Bloch, da Abril Jovem, da Pandora, da Ediouro, da On Line Editora e da Planeta DeAgostini é a vez da Panini Comics publicar quadrinhos Star Wars no Brasil. Fica a ressalva de que a DeAgostini está iniciando sua publicação e por problemas de distribuição é capaz de alguns leitores entenderem a ordem de maneira diferente, mas será nesta série de encadernados a estreia de várias histórias editadas nos EUA no início dos anos 1.980 pela Marvel Comics.

Ao traduzir a última série Star Wars da Dark Horse, iniciada em 2.013 a Panini apenas evidencia o cansaço da série em quadrinhos com os personagens de George Lucas. A Dark Horse ousou em diversos momentos, publicou quadrinhos em diversos períodos seja 4 milênios antes ou 150 anos depois; publicou quadrinhos centrados no Rogue Squadron e histórias de mercenários, das Guerras Clônicas e apresentou várias novas visões como Star Wars: Invasion e Star Wars: Legacy. No fim ficou redundante e voltou para o básico, ou seja, o mesmo tema que foi tratado em Star Wars #11 da Marvel Comics lá em 1.978, a busca de uma nova base para a Rebelião depois da descoberta de Yavin-4.

Vale relembrar que o período da rebelião já foi tema de ao menos três séries anteriores – Star Wars da Marvel, Star Wars da Dark Horse e Star Wars: Rebellion da Dark Horse. Retornar a este tema para “oferecer uma nova visão” é como tirar água de pedra. Rende um TOP 10 da distribuidora Diamond, mas inevitavelmente a série cairá – atualmente está em torno da 80ª posição, mas vendas não tem relação com qualidade, lembre-se. Por sinal esta série também já se encerrou após 20 edições e o título terá um reboot na próxima editora.

Brian Wood & Carlos D'Anda oferecem uma boa história, melhor ainda para neófitos e leitores/expectadores que conhecem a série Star Wars pelos produtos mais recentes como Clone Wars, a série animada. É bom? É! Mas para quem já leu alguma coisa que se passa no mesmo período fica cansativo e incômodo o fato de a série não progredir.

Mas eu descobri algo: os consumidores é que não gostam deste progresso! Querem ler histórias com os mesmos personagens e situações. É por isso que Peter Parker ainda é um coitado sem dinheiro e cheio de responsabilidades. É por isso que a série Star Wars daqui a 20 anos ainda narrará histórias que se passarão ainda no período dos episódios IV, V e VI.

Star Wars #1 e 2 (janeiro e fevereiro/2013) se passa meses depois da Batalha de Yavin (Star Wars Episódio IV: Uma nova esperança). A Rebelião necessita de uma nova base permanente, mas o Império parece ter uma especial que fornece informações de dentro do movimento. Darth Vader é responsabilizado pelo Imperador pela perda da Estrela da Morte e Han Solo é enviado por Mon Mothma em uma missão à Coruscant, sede do império!

A edição se completa com Star Wars – Dark Times: Out of the wilderness #01 (agosto/2011) de Randy Stradley e Douglas Wheatley. A série se passa meses depois do fim de Star Wars Episódio III e trata da sobrevivência de jedis após a Ordem 66, da ascensão do Império, da busca de Darth Vader pelos últimos jedis e da busca de um homem comum por sua família. A série iniciou em Star Wars Dark Times que foi publicada no Brasil pela On Line Editora. Certamente será a série que sofrerá mais com as mudanças de Star Wars Rebels pois faz uma narrativa paralela a estes acontecimentos que podem ser anulados pela próxima revisão de cânone.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…