Pular para o conteúdo principal

O fim do Quarteto Fantástico


A Marvel Comics prova como os tempos são diferentes. A série americana Fantastic Four passou por diversos relançamentos mas suas vendas não se ampliam. Novidade?

Não! Ao longo dos anos sempre tivemos conhecimento de séries boas com baixa vendagem, a série do Quarteto apenas vem engrossar a lista. Até aí nada de novo.

A novidade é a abordagem que a Disney/Marvel está dando ao tema. Os direitos para cinema e TV do Quarteto e dos mutantes pertencem à FOX. Desde que a Marvel Studios conseguiu sucesso na administração das propriedades intelectuais da Marvel Comics, em especial com a franquia dos personagens derivados de Os Vingadores (Homem de Ferro, Capitão América, Thor e a própria série Os Vingadores) e conseguiu unir esta franquia ao enredo de construção de um universo com Os Guardiões da Galáxia, a Disney tem tentado reaver os direitos das duas franquias perdidas na época da falência da editora – Quarteto e mutantes.

Bem, ao que parece, os mutantes vão bem, obrigado! O último filme não é um primor, mas rendeu o suficiente para garantir uma sequência. Por sinal é a maior bilheteria da franquia que já chega a sete filmes, com cinco dos mutantes (X-Men 1, 2 e 3, X-Men: Primeira Classe e X-Men: Dias de um futuro esquecido) e dois do Wolverine. A FOX aproveitando a onda de novas séries para TV baseadas em quadrinhos anunciou a possibilidade de X-Men ou derivados irem para a TV! Parece que pisou no calo de alguém!

Já com o Quarteto é diferente. Seus dois filmes são mais lembrados por a) cenas refeitas para evitar comparações com Os Incríveis – há um personagem com poderes elásticos em ambos e Reed Richards teve cenas inseridas para ampliar sua relevância na trama e a importância de seu poder; b) Jessica Alba.

A FOX está produzindo um reboot que inseriu uma série de ideias estranhas quando comparadas ao material dos quadrinhos. Mas é certo que nenhum espectador de TV e cinema se importa com quadrinhos! Gotham está aí para provar isto! É uma boa série? Até o momento, sim! Excelente até, em alguns momentos. Mas é cronologicamente possível de ser encaixada na história do Batman? Não! Só para ficar no absolutamente óbvio: Montoya foi inserida nos quadrinhos graças à série de animação de Bruce Timm e só passou a atuar em Gotham pouco antes de A queda do morcego.

Isto incomoda a mim quando estou assistindo ao programa?

Não!

São universos diferentes, onde um bebe n'outro criando um processo infinito de alimentação e antropofagia de ideias. Logo, se a série de TV Gotham se estabelecer como um sucesso constante e ganhar novas temporadas, algum autor “inteligente” adaptará conceitos para os quadrinhos e revisará cronologias. Espere e verá!

Mas voltando ao Quarteto, como represália ao retorno dos direitos para produção de longas a Disney/Marvel diz que devido às baixas vendas da série mensal em quadrinhos, decidiu cancelá-la – é uma possibilidade, não um fato. Fará diferença?

Não!

Mesmo que a Marvel envie instruções para que os autores e ilustradores não se refiram ou desenhem o Quarteto e seus personagens, apenas a editora perderá. E mesmo que se resolva fazer o mesmo com os X-Men, apenas a editora será afetada.

Sim! Existe um boato em que a Marvel/Disney fará uma franquia cinematográfica com Os Inumanos e os estabeleceriam como um concorrente direto dos mutantes.

[Conclusão]
As séries em quadrinhos alcançam de 20 a 70 mil leitores nos EUA. Séries TOP 10 70 a 120 mil. Um filme alcança milhões no mundo! A Marvel encerrar seu título primordial – Fantastic Four – é a prova da incapacidade de mostrar a série da família Marvel por definição, de uma maneira interessante aos leitores.

Se a possibilidade é parar de nutrir os roteiristas da FOX com temas para serem adaptados (tolinhos!) há uma quantidade tão grande de histórias nestes 50 anos de aventuras que dariam no mínimo uma dúzia de filmes, isto apenas para ficar nas histórias de Kirby & Lee, Roy Thomas & John Buscema, John Byrne e Mark Waid & Mike Wieringo. Ou melhor, só as histórias de Kirby & Lee dariam uma dúzia de filmes!

Mas algo de bom pode surgir disto?

Sim. Se a ideia de a Marvel encerrar a série vingar, os personagens poderão ganhar novas séries apenas quando houver novas ideias, e isto é bom. Afinal histórias devem ser contadas por uma necessidade intelectual e não um cronograma de lançamentos. Em última instância uma história deve ser contada apenas quando há algo para ser contado. Se em algum momento a Disney ganhar a queda de braço sempre haverá a possibilidade de alguma série chamada, por exemplo, Fantastic Four: The Hidden Years, que hipoteticamente poderia narrar o quê aconteceu com os personagens quando não estavam sendo publicados.

Ganhará o leitor de quadrinhos?

Dificilmente, mas ao mesmo não encontrará nas bancas – ou comic shops – uma série que só o faz lembrar de como um dia aquela revista foi boa.

Mas quero ver a Marvel cancelar todas as séries mutantes!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…