Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 077]: The Sontaran Experiment


O terceiro arco da 12ª temporada de Doctor Who é uma continuação direta do arco anterior. Naquele o Doutor, Sarah e Harry Sullivan visitam uma arca espacial em torno da Terra enquanto o planeta se recuperava. Neste eles vão até a superfície do planeta recuperada para surpreendentemente encontrar uma comunidade humana – a Terra era tida como inabitada – e alienígenas que estão fazendo experimentos para descobrir o risco que terráqueos oferecem à sua raça.

[Localização no Continuum]
The Sontaram Experiment é o 77º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o terceiro arco da 12º temporada. É composto de 2 episódios com 25 minutos em média e foi exibido de 22/02/1975 a 1/3/1975.

[Trama]
Ao vir para a superfície da recém-reconstruída Terra o Doutor, Sarah e Harry se deparam com um grupo de astronautas que fogem dos sontarianos (sontaran, no original) e de suas máquinas, que visam colher dados para uma futura invasão da Terra. A moralidade, no entanto, é sempre posta em cheque, já que o líder dos astronautas tem um acordo com um sontariano.

Após um conflito inicial com os astronautas o trio os auxilia, ainda que não seja oferecida nenhuma informação adicional sobre a existência destes. Em alguns momentos nota-se a questão de um sotaque diferente, abrindo espaço para imaginar que os astronautas sejam russos ou descendentes. Lembrar que a estação espacial Nerva, do arco anterior, ficou um tempo indeterminado no espaço e que há colônias humanas espalhadas ou perdidas no espaço ajuda a entender a macrotrama que os autores tentavam criar sobre o futuro da humanidade e a recuperação da Terra.

Em alguns momentos os efeitos, a maquiagem e a trama (um alienígenas prendendo e torturando astronautas mal vestidos) remete facilmente à Planeta dos Macacos e as situações encontradas na cinessérie.

Com a situação resolvida o trio acredita retornar para a estação Nerva, mas...

-1
(Arco 76)
0
(Arco 77)
+1
(Arco 78)
The Sontaran Experiment











Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…