Pular para o conteúdo principal

Star Trek: TNG Yesterday's Enterprise e viagens no tempo criativas


Esta semana estava checando um serviço de streaming de séries de TV e filmes e observei que Star Trek: The next generation (Jornadas nas Estrelas, a nova geração) estava disponível entre as séries, sendo uma aquisição recente do serviço.

Disposto a testar o serviço, mais do que realmente a assistir a um episódio escolhi aleatoriamente o episódio Yesterday's Enterprise (3x15) exibido originalmente em 1.990 – 24 anos atrás, portanto.

Que acerto! Que sorte!

Apesar de eu não gostar da facilidade com que a Tenente Tasha Yar se apaixona, o episódio desenvolve bem a ideia de viagem no tempo e consequências desta.

Na trama uma brecha no espaço tempo leva a Enterprise-C para o futuro, ou seja, o presente da série, onde já temos a Enterprise-D comandada por Jean-Luc Piccard. O simples ato de a Enterprise do passado atravessar o portal altera a estrutura do espaço-tempo. Agora temos uma Enterprise-D mais bélica e uma Federação em guerra com o Império Klingon.

A ausência da nave no passado alterou um evento, que criou uma realidade alternativa. Nesta a Federação está a seis meses da derrota e nela o Tenente Worf – um klingon – não está na tripulação da nau capitania e a Tenente Yar, morta na primeira temporada da série, continua em seu posto.

A beleza do episódio está no fato de que a mudança de realidade é feita sem firulas. A Enterprise-C atravessa o portal, há um close em Piccard e nota-se alterações visuais significativas, ainda que nada muito gritante. Quando a situação se resolve e a realidade se corrige também não há firulas.
Quem me dera que nos quadrinhos fosse assim rápido e direto. Lá, por mais que a realidade se corrija sempre há um retorno, um personagem deslocado, uma nova série limitada, uma nova série mensal, um revival 10 anos depois para os saudosistas, um revival 20 anos depois para o resto dos saudosistas. Tudo é explorado até a última gota de criatividade e além.

Se você quiser ver uma trama rápida e saudável com o uso correto de viagem no tempo procure por este episódio.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…