Pular para o conteúdo principal

Vertigo #45 (agosto/2013)

A distribuição “especial” da Panini me traz Livros daMagia e Batman: Arquivo de casos inexplicáveis, ambos encadernados em capa dura no mês do lançamento, mas Vertigo sua melhor série mensal somente no fim do mês seguinte.

A revista do selo de ocultismo da DC leva ao leitor resultados tão díspares quanto Hellblazer, Punk Rock Jesus, Casa dos Mistérios e Escalpo.

Hellblazer com Segredos e Mentiras parte 2 e 3 (#252-253/2009) traz um roteiro meia boca de Peter Milligan com uma arte limitada de Giuseppe Camuncoli, junto com finais de Stefano Landini. Constantine está envolvendo pessoas em seus problemas (novidade) e tem que buscar uma solução em forma de expiação (novidade²). É tão ruim que dá vergonha!

Casa dos Mistérios eu respeitosamente ignoro e explico: vou ler a série do início de um fôlego só ou pelo menos os arcos já lançados. Até lá me divirto em ler as histórias curtas que compõem a série. A desta edição (#35/2011) é bem inventiva.

Então depois de me irritar ou ignorar 2/3 da revista eu finalmente chego à parte que me interessa. Punk Rock Jesus de Sean Murphy termina poderosa como iniciou. E não há revelações bombásticas, afinal tínhamos desconfiança dos assuntos abordados. Por isso mesmo é honesta. Fiel. A série não inventa ou reinventa a roda e consegue prender a atenção por fazer uma narrativa de qualidade que não procura “forçar a barra”, dá sua mensagem e segue com a vida.

Mas o creme da edição é Escalpo (#46/2011) com a segunda parte do arco Você precisa pecar para ser salvo de Jason Aaron e RM Guéra. A história é tão bem narrada que torno a dizer que evoca as melhores narrativas televisivas modernas como The Sopranos e Breaking Bad. A história gera sentimentos reais de envolvimento com o leitor que não é tratado como um idiota. Lincoln Corvo Vermelho descobre quem assassinou Gina, ao mesmo tempo em que o policial Queda D'Água tem uma sofrida jornada mística nas mãos do Apanhador.

Próximo de sua conclusão Escalpo transmite aos que acompanham a sensação de que tudo foi um longo prólogo, necessário para o entendimento perfeito do que motiva os envolvidos. Assim como deixa a impressão que, como em The Sopranos o quê interessa é o dinheiro, e em Breaking Bad “de boas intenções está pavimentada a estrada para o inferno”.

É de salivar a ansiedade para a próxima edição!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…