Pular para o conteúdo principal

Martin Mystère #01: Os homens de negro

Acho muito divertido o pomposo nome “Os Grandes Enigmas de Martin Mystère, o detetive do impossível” e devo confessar que fiquei curioso de imediato quando vi Mystère pela primeira vez na TV.

Não, não foi o desenho animado para crianças e com pouca relação com a série fumetti da Bonelli. Vi em uma propaganda da RGE, recém-adquirida pela empresa de Roberto Marinho, que anunciava o lançamento da série no Brasil numa época que também gerou Os Comandos em Ação e Transformers.

Baseado no arquétipo do cientista formal mas aventureiro, Mystere é um antropólgo e arqueológo, além de formando também em belas-artes, que vive aventuras com seu amigo Java, um homem de Neandenthal, e não seria arriscar muito se apostar que o personagem é levemente inspirado em Indiana Jones, assim como o professor Henry Jones Jr. o é em dezenas de professores, cientistas e pesquisadores que povoam a cultura pop.

Neste primeiro volume Edouard Morel, arqueólogo e amigo de Mystere encontra pistas que levam à confirmação da existência de Atlântida e do domínio, já naquela época da tecnologia para a imprensa e para a produção de raios. Morel é assassinado por enviados dos Homens de Negro, uma organização que tenta manter inalterado o status quo através da eliminação dos indícios que possam levar a estas questões.

No entanto, as pesquisas de Morel chegam ao amigo que vem à Grécia, logo após um encontro pessoal com os tais Homens de Negro e se vê lançado em uma viagem que o leva ao Egito e talvez à descoberta de um segredo que poderá revolucionar a humanidade.

[Comentários]
A aventura é muito boa, com excelentes doses de ação e perfeita caracterização dos personagens. O texto de A. Castelli é didático sem ser chato ou extremamente detalhista. O traço de G. Alessandrini é limpo e soma ao roteiro.

Evidentemente a aventura envelheceu um pouco – foi publicada originalmente em abril de 1.982. O simples fato de Martin pegar um avião de Washington para Grécia sem telefonar antes para o amigo, não evidencia automaticamente um furo na trama, mas sim o desapego que tínhamos ao telefone, que naquela época era até certo ponto incomum e usado apenas para casos de urgência.

Mas certamente convidar a desconhecida Maria Foteynos para uma viagem ao Egito é um risco desnecessário para um homem que sabe que sombras reais e imaginárias estão em seu encalço. Especialmente se ambos têm um amigo em comum que conheceremos no próximo volume.

Publicado no Brasil nas edições #1-2 da série da RGE/Globo e na edição #1 da Record (1990).


Os Grandes Enigmas de Martin Mystère, o detetive do impossível
(-1)
-

#01
(+1)
#02

Os homens de negro
A vingança de Rá












Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…